Washington vai combater “práticas comerciais desleais” da China

Fotografia: Alexander Schimmeck/Unsplash

O governo do Estados Unidos da América comprometeu-se a usar “todas as ferramentas” à sua disposição para pôr um fim às práticas comerciais “desleais” da República Popular da China, destacou o Gabinete do Representante Comercial (USTR) nas suas directrizes para 2021, publicadas na segunda-feira, em conjunto com o seu relatório anual.

Washington “reconhece que as práticas comerciais coercitivas e desleais da China prejudicam os trabalhadores americanos, ameaçam o nosso avanço tecnológico (…) e constituem uma afronta aos nossos interesses nacionais”, destaca o novo governo democrata, que compartilha o diagnóstico com o governo de Donald Trump, que desencadeou a guerra comercial alfandegária com a China.

“Superar o desafio da China vai exigir uma estratégica global e uma abordagem mais sistemática do que os mecanismos desordenados do passado recente”, acrescentou.

Na semana passada, a nova representante comercial, Katherine Tai, afirmou durante a sua audiência de nomeação no Senado, que faria um “exame completo” da política comercial americana em relação à China.

Entre as práticas consideradas “prejudiciais” pelos americanos, o USTR cita as barreiras alfandegárias e não alfandegárias que restringem o acesso ao mercado chinês, as políticas industriais que recorrem a subsídios considerados injustos e os subsídios à exportação: “Também incluem as transferências forçadas de tecnologia, as aquisições ilícitas e a violação da propriedade intelectual americana, a censura e outras restrições na Internet e na economia digital, assim como o facto de não oferecer às empresas americanas, em vários sectores, um tratamento comparável ao recebido pelas empresas chinesas destes mesmos sectores nos Estados Unidos”, destacou o USTR nas suas diretrizes.

Será dada “prioridade absoluta” à luta contra as violações dos direitos humanos, acrescentou, citando o programa de trabalho forçado imposto a minorias étnicas e religiosas: “Os americanos e os consumidores de todo o mundo não querem produtos fabricados com trabalho forçado”, destacou o USTR, citando “um regime de repressão sistemática orquestrado pelo Estado”, que põe em desvantagem alguns trabalhadores.

O novo governo americano promete fazer os investimentos necessários nos Estados Unidos para ajudar os trabalhadores, sustentar a inovação e melhorar a competitividade da produção local.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.