Myanmar. Repressão sangrenta de protestos fez 18 mortos

Fotografia: Manifestantes pedem a libertação de Aung San Suu Kyi em Amesterdão, na Holanda. Franz & P Free Burma Demonstration Amsterdam via photopin (license)

A polícia do Myanmar disparou contra manifestantes em vários pontos do país no domingo, no dia mais sangrento registado até ao momento desde o golpe militar de 1 de Fevereiro,  disso o gabinete dos direitos humanos da Organização das Nações Unidas.

A polícia abriu fogo sobre os manifestantes em diferentes partes de Rangum, maior cidade do país, depois de granadas de atordoamento, gás lacrimogéneo e tiros para o ar não falhado no desígnio de dispersar as multidões. O Exército reforçou a acção da política perante a insistência de quem protestava.

Vários feridos foram arrastados por outros manifestantes, deixando manchas de sangue nas calçadas, mostraram imagens publicadas pela imprensa local. Um homem morreu depois de ser levado para um hospital com uma bala alojada no peito, disse um médico que pediu para não ser identificado.

“A polícia e as forças militares enfrentaram manifestações pacíficas, usando força letal o que – de acordo com informações confiáveis ​​recebidas pelo Gabinete dos Direitos Humanos da ONU – deixou pelo menos 18 mortos e mais de 30 feridos”, disse o organismo.

O Myanmar mergulhou no caos desde que o Exército tomou o poder e prendeu a líder eleita Aung San Suu Kyi e grande parte da liderança da Liga Nacional para a Democracia a 1 de Fevereiro, alegando fraude nas eleições de Novembro que o seu partido venceu por larga maioria.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.