Vacinas chinesas no centro de tempestade política no Peru

Fotografia: focusonmore.com Sinopharm company website page logo on laptop display with red background via photopin (license)

O novo Ministro dos Negócios Estrangeiros do Peru, Allan Wagner, pediu no sábado aos políticos do seu país que evitem prejudicar as relações com a China, numa altura em que o Peru é abalado por um escândalo de vacinações antecipadas contra a Covid-19 com doses de um laboratório chinês.

“Devemos ter muito cuidado no que diz respeito às nossas relações com a República Popular da China”, alertou Wagner no canal RPP, sugerindo evitar comentários sobre o chamado “Vacinagate” que poderiam incomodar o principal parceiro comercial do Peru.

A China forneceu as vacinas utilizadas irregularmente por 487 pessoas no Peru, entre elas o popular ex-presidente Martín Vizcarra, antes do início da campanha de imunização, que arrancou a 9 de Fevereiro e por enquanto inclui apenas profissionais de saúde.

O escândalo estendeu-se ao actual governo de transição de Francisco Sagasti e levou à renúncia de duas ministras, a titular da Saúde, Pilar Mazzetti, e a antiga Ministra dos Negócios Estrangeiros Elizabeth Astete, que foi substituída por Wagner na segunda-feira.

O ministro não quis esclarecer a quem se dirigia o seu aviso: “Para bom entendedor, meia palavra basta”, limitou-se a dizer.

Wagner fez o alerta um dia depois de a chefe de gabinete de Sagasti, Violeta Bermúdez, ter sugerido pedir às autoridades chinesas que “compartilhassem informações” sobre as doses enviadas pelo grupo farmacêutico chinês Sipopharm para o Peru.

Os 487 imunizados de forma irregular, incluindo 122 funcionários públicos, receberam parte das 3.200 doses extras enviadas pela Sinopharm para o pessoal encarregado de um ensaio da vacina entre 12.000 voluntários.

A embaixada do país asiático, que recebeu 2.000 doses para imunizar os seus funcionários, manteve-se em silêncio sobre o escândalo que agora está a ser investigado pelo Ministério Público e pelo Congresso.

No entanto, a legação chinesa rejeitou o uso de “termos como vacinas de cortesia, doações ou regalias”, usados por políticos e meios de comunicação social peruanos para designar as 3.200 doses extras (de onde saíram as que foram aplicadas irregularmente).

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.