Mya, 20 anos, mártir e símbolo da liberdade no Myanmar

Fotografia:Alexander Schimmeck/Unsplash

Na quinta-feira, dia em que completou 20 anos, estava em coma no hospital, com prognóstico reservado. Mya Thwate Thwate Khaing, funcionária de uma mercearia, faleceu nesta sexta-feira depois de ter sido baleada nos protestos contra o golpe conduzido pelos militares no Myanmar. A jovem tornou-se um símbolo nacional de resistência.

Mya é a primeira vítima mortal da repressão dos generais birmaneses contra os manifestantes que se opõem ao golpe de estado que acabou com quase uma década de democracia no início do mês.

O Exército birmanês tomou o poder a 1 de Fevereiro, ao ordenar a chefe de facto do governo civil, a prémio Nobel Aung San Suu Kyi, e outros líderes políticos associados à Liga Nacional da Democracia. Desde então, centenas de milhares de birmaneses saíram à rua em todo país, inclusive em Naypyidaw, cidade construída no coração da selva, a cerca de 350 quilómetros ao norte de Rangum, a antiga capital do país.

O hospital de Naypyidaw onde a jovem estava internada confirmou a sua morte nesta sexta-feira, ao fim de dez dias nos cuidados intensivos: “Estamos com o coração partido e não conseguimos falar disso agora”, disse o irmão à agência France Press. A jovem deverá ser sepultada no domingo,

A True News Information Unit, uma publicação do Exército birmanês, garante que as forças de segurança não estavam equipadas com armas letais no dia do fatal protesto.

Mas as imagens divulgadas, em particular pela AFP, “contradizem as afirmações”, denunciou a ONG Amnistia Internacional num comunicado. A organização acusa “a polícia de Naypyidaw de ter sangue nas mãos”.

Mya Thwate Thwate Khaing tornou-se num período de dez dias um símbolo para os manifestantes que exigem a libertação de Aung San Suu Kyi, o fim da ditadura e a revogação da Constituição de 2008, muito favorável ao Exército do país.

No dia seguinte ao ocorrido, um cartaz gigante foi desdobrado numa ponte em Rangum. O cartaz retrata a jovem inconsciente, vestida com uma camisola vermelha com as cores da Liga Nacional para a Democracia (LND), o partido de Aung San Suu Kyi.

A raiva também se sente nas redes sociais: “Mya, é a nossa heroína”, “Reze pelo nosso martírio”, “Este acto de ódio deve ser punido”, diziam os internautas na quinta-feira no Facebook.

O caso também atraiu a atenção da comunidade internacional: “ Os militares podem atirar numa jovem, mas não podem roubar a esperança e a determinação de um povo”, tweetou o relator especial da ONU, Tom Andrews.

A morte de Mya desencadeou uma onda de homenagens muito comoventes nas redes sociais à medida que a notícia se começa a espalhar. Um funcionário do hospital declarou que a morte da jovem será investigada por um conselho médico.

A identidade do atirador ainda é desconhecida, mas, no Facebook e Twitter, os internautas lançaram uma caça ao homem. Alguns publicaram detalhes privados – incluindo o endereço da casa e da empresa familiar – de um homem que acreditam ser o autor do disparo. O suspeito nega as acusações e proclamou a sua inocência, numa  mensagem publicada no Facebook.

O uso da força na terça-feira contribuiu para o anúncio de novas sanções dos Estados Unidos da América contra os generais golpistas.

O Myanmar, que viveu quase 50 anos sob o jugo de um brutal regime militar, está acostumada a repressões sangrentas, como a quem em 1988 causou quase 3.000 mortos, ou a de 2007, que terminou com várias dezenas vítimas.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.