Índia. Corrida contra o tempo para salvar trabalhadores retidos no Himalaias

Equipas de resgate escavaram um poço na quinta-feira para aceder ao túnel onde cerca de 30 pessoas estão presas desde a devastadora enchente de um rio causada pelo desabamento de parte de um glaciar. O fenómeno devastou no domingo um vale no Himalaias, no norte da Índia, deixando 32 mortos e 170 desaparecidos.

Em Tapovan, no vale desfigurado do estado de Uttarakhand, as equipes de resgate lutam dia e noite para retirar as toneladas de lama e neve que obstruem o túnel de uma barragem hidroeléctrica devastada pela enchente.

Mais de 170 pessoas estão desaparecidas em Uttarakhand, um estado indiano pouco menor do que a Suíça, localizado no Himalaias. Quatro dias depois do desastre, apenas 32 corpos foram encontrados.

No túnel, enquanto a esperança de encontrar sobreviventes diminui, as operações progridem lentamente, devido à sua natureza estreita e à quantidade de destroços que bloqueiam o caminho.

Nesta quinta-feira, as equipes tentavam abrir uma fenda num dos túneis adjacentes na esperança de alcançar as pessoas retidas, disseram as autoridades: “Os túneis cruzam-se pouco depois da zona obstruída pelos escombros e pela lama”, disse o socorrista Vivek Pandy ao jornal Times of India. “Esperamos que os trabalhadores retidos estejam  num túnel adjacente ao qual possamos chegar”, acrescentou.

Os familiares das pessoas bloqueadas não escondem sua impaciência nem silenciam  as suas críticas: “Esta operação de resgate é uma piada”, disse Sanjay Pant, de Uttar Pradesh, cujo irmão Abhishek, 24, provavelmente está no túnel.

“Estão a usar apenas uma escavadora”, afirma, ao reclamar da lentidão das operações e dos meios implantados para a retirada do entulho.

Corpo encontrado a 110 quilómetros

Santosh Yadav, também natural de Uttar Pradesh, cujo cunhado Sanjay está preso no túnel, diz-se surpreendido com a ausência silenciosa da liderança da “empresa para a qual trabalhou por treze anos”.

Para Yadav, é evidente que as vítimas, “se ainda estiverem vivas, não serão capazes de sobreviver ali por muito tempo, num túnel com temperaturas negativas, sem ar, água ou comida”.

Um enorme corpo d’água devastou o vale do rio Dhauliganga, afluente do Ganges, no domingo, destruindo tudo no seu caminho, submergindo um complexo hidroeléctrico e arrasando estradas e pontes, segundo imagens filmadas por moradores locais aterrorizados.

A ruptura do glaciar que deu origem à tragédia foi atribuída ao aquecimento global, mas outras hipóteses apontam como possíveis causas a construção de barragens, a dragagem do leito dos rios para extrair areia para construção ou o corte de árvores para abrir caminho para estradas.

Encontrar mais corpos sob toneladas de entulho e lama será difícil e levará muitos dias. Alguns podem nunca aparecer ou ser encontrados a centenas de quilómetros de distância.

O corpo de Manoj Chaudhary, um agente da polícia de 42 anos, foi encontrado a 110 quilómetros da barragem, próximo de um ghat (local de cremação) nas proximidades da cidade onde Manoj nasceu, noticiou o jornal Indian Express, que destacou a incrível coincidência.

Manoj Chaudhary foi cremado na terça-feira com honras de Estado: “Ele apareceu exatamente naquele ghat, onde os nossos antepassados foram cremados”, declarou Anil Chaudhary, o seu irmão mais velho. “É uma coincidência, mas graças a Deus o seu corpo encontrou o caminho para o ghat de nossos antepassados”, disse ele ao jornal Indian Express.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.