Himalaias. Índia e China concordam com retirada em zona disputada

A Índia anunciou na quinta-feira que chegou a um acordo com a China para uma “retirada” mútua e coordenada em parte da fronteira disputada pelos dois países na região do Himalaias, a fim de acalmar as tensões entre as duas potências nucleares, exponenciadas nos últimos meses.

O ministro da Defesa indiano, Rajnath Singh, disse que, graças a um acordo na região do Lago Pangong, “os dois lados vão suspender os seus avanços de maneira progressiva, coordenada e verificada”.

O acordo foi alcançado após negociações entre oficiais militares, que se devem voltar a reunir para traçar as linhas de uma “retirada total” da zona, acrescentou o responsável.

Em Maio, ocorreram combates corpo a corpo nesta parte da fronteira, o que alimentou tensões fronteiriças entre os dois países, os mais populosos do mundo.

Em Junho, pelo menos 20 soldados indianos e um número desconhecido de chineses morreram num confronto na fronteira, na área de Ladakh.

A chamada Linha de Controlo Real (LAC), a fronteira de facto entre a Índia e a China, não está devidamente delimitada.

Seguindo uma antiga prática de evitar um confronto militar directo, os dois Exércitos não usam armas de fogo na sua fronteira.

Nos últimos meses, porém, os dois países enviaram dezenas de milhares de soldados e artilharia pesada para a região, que actualmente se encontra sob um Inverno rigoroso.

O acordo permitirá “um regresso à situação anterior” aos confrontos do ano passado, segundo Singh.

O responsável indiano explicou que a retirada começou na quarta-feira e que ambas as partes vão retirar as estruturas instaladas desde Abril e também vão encerrar as patrulhas na zona.

No dia anterior, o porta-voz do ministro da Defesa chinês, Wu Qian, mencionou que as tropas de ambos os lados da fronteira “começaram a organizar a retirada de forma sincronizada e planeada, em 10 de Fevereiro”.

O último conflito aberto entre os dois remonta à Blitzkrieg de 1962, quando as tropas indianas foram rapidamente derrotadas pelo Exército chinês.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.