OMS pede à Europa para acelerar processo de vacinação

A Europa deve unir-se para acelerar a campanha de vacinação contra a Covid-19 com o apoio de todos os laboratórios, afirmou esta sexta-feira o director da Organização Mundial da Saúde (OMS) na região, que admitiu estar preocupado com o risco representado pelas novas variantes do coronavírus.

“Devemos nos preparar para outras mutações problemáticas do vírus, sobretudo através de um reforço do sequenciamento”, afirmou Hans Kluge, numa entrevista à AFP.

Na União Europeia (UE), a taxa da população vacinada com a primeira dose do imunizante anti-Covid-19 é de apenas 2,5 por cento, apesar de vários laboratórios terem anunciado que aumentarão as entregas, o que provocou a esperança de que a campanha poderia ganhar impulso: “Devemos unir-nos para acelerar a vacinação”, afirmou o responsável regional da OMS.

“As empresas farmacêuticas, que normalmente competem entre si, devem unir esforços para aumentar drasticamente as capacidades de produção. Isto é o que é necessário”, insistiu Kluge.

Ao ser interrogado sobre se as vacinas, no mercado desde Dezembro, serão eficazes contra as novas variantes do vírus, Kluge reconheceu que “esta é a grande questão do momento” e admitiu que está “preocupado”: “Isto é uma cruel chamada de atenção para o facto de que o vírus ainda está acima do ser humano, mas não é um vírus novo, é uma evolução de um vírus que tenta adaptar-se ao seu hospedeiro humano”, sublinhou.

Embora a situação pareça mais complicada hoje do que no momento da chegada das primeiras vacinas, o director da OMS para a Europa tentou enviar uma nota de optimismo: “Sou honesto: acredito que o túnel é um pouco maior do que pensávamos em Dezembro, mas este ano será mais fácil de administrar que o do ano passado”, afirmou.

Kluge reiterou os pedidos de solidariedade para com os países que não podem receber a vacina, sugerindo que os países ricos deveriam compartilhar as suas doses com os Estados pobres depois de vacinar uma determinada percentagem da sua população: “Talvez, quando os países da UE alcançarem 20 por cento da vacinação de sua população – 20 por cento significa pessoas idosas, profissionais da saúde, pessoas com comorbilidades -, poderia ser o momento de compartilhar vacinas”, defendeu.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.