Myanmar. Centenas de manifestantes protestam contra golpe de estado

Centenas de manifestantes reuniram-se esta sexta-feira perante uma universidade de Rangum, naquele que foi o maior protesto registado até ao momento contra o golpe de Estado que derrubou esta semana o governo de Aung San Suu Kyi,  no Mynamar. O protesto ocorre numa altura em que  o Exército continua a prender políticos e activistas.

Os manifestantes, na sua maioria professores e alunos, fizeram a saudação com três dedos da mão levantados, um gesto de resistência, enquanto cantavam uma música que se tornou popular durante a revolta de 1988, violentamente reprimida pelo Exército birmanês. Também pediram “longa vida à mãe Suu Kyi”:

“Enquanto (os militares) conservarem o poder, não vamos trabalhar. Se todos fizerem isto, o sistema vai cair”, declarou à AFP Win Win Maw, professor do Departamento de História da Universidade de Rangum.

Funcionários de vários ministérios interromperam temporariamente o trabalho na capital Naypyidaw e exibiam uma fita vermelha, a cor do partido de Aung San Suu Kyi, a Liga Nacional para a Democracia (LND).

Na quinta-feira, advogados e médicos participaram nos protestos, enquanto moradores de Rangum organizaram panelaços e buzinaços pela terceira noite consecutiva para “expulsar os demónios”, os militares.

Dezenas de detenções

Os generais, que na segunda-feira acabaram de forma abrupta com a frágil transição democrática do país, prosseguem com as detenções, apesar das críticas internacionais.

Win Htein, 79 anos, veterano da Liga Nacional para a Democracia, foi detido na casa de sua filha na madrugada desta sexta-feira em Yangon, informou um porta-voz do partido: “Sei que serei detido, mas não estou preocupado. Estamos acostumados à luta pacífica”, afirmou na quarta-feira à rádio francesa RFI. Win Htein passou mais de 20 anos preso, no período em que a junta militar governou o país (1989 a 2010).

Quatro dias depois da detenção de Aung San Suu Kyi, acusada de infringir uma confusa norma comercial, quase 150 líderes políticos foram presos, de acordo com a Associação de Assistência aos Presos Políticos, uma Organização Não Governamental com sede em Rangum

Os eventos no Myanmar provocaram ampla inquietação internacional.

O presidente dos Estados Unidos da América, Joe Biden, pediu na quinta-feira aos generais birmaneses, que “renunciem ao poder” sem condições, enquanto seu governo cogita adpotar “sanções específicas” contra os militares golpistas.

O Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas expressou “profunda preocupação” e pediu a “libertação de todos os detidos”.

O texto, redigido pelo Reino Unido, não condena o golpe militar, como contemplava o primeiro rascunho. China e Rússia, que têm poder de veto, foram contrários a uma condenação explícita.

Apoio de Pequim

Pequim continua sendo o principal  aliado do Myanmar na ONU. Durante a crise do rohingyas, obstruiu todas as iniciativas por considerar o conflito um assunto interno birmanês.

O medo continua muito presente no país, que viveu quase 50 anos sob regime militar desde sua independência em 1948. Em 2012, um grupo de conhecidos humoristas de Mandalay, a segunda cidade do país, antecipavam uma transição problemática para a democracia, devido ao apego dos responsáveis pelo Tatmadaw –o Exército – ao poder (ver vídeo).

Mas desde as repressões anteriores, de 1988 e 2007, a situação mudou: os birmaneses agora usam a Internet para resistir.

No Facebook, porta de entrada na Internet para milhões de habitantes, foram criados grupos que defendem a “desobediência civil”.

Como resposta o Exército ordenou que os provedores de Internet do país bloqueiem o acesso à plataforma. Nesta sexta-feira, os serviços continuavam perturbados.

O comandante do Exército, Min Aung Hlaing, que concentra a maioria dos poderes, justificou o golpe alegando “enormes” fraudes nas eleições legislativas de Novembro, ganhas de forma esmagadora pela Liga Nacional para a Democracia.

Na realidade, de acordo com analistas, os generais temem que, apesar de uma Constituição muito favorável aos militares, a sua influência diminuísse após a vitória eleitoral da Prémio Nobel da Paz de 1991.

Os militares, que instauraram o estado de emergência por um ano, prometeram eleições livres ao final do período, mas o anúncio foi recebido com cepticismo.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.