Covid-19. “Milagre” indiano surpreende especialistas

Com 1300 milhões de habitantes, a Índia é o segundo país do mundo com mais casos de covid-19 (10,7 milhões), mas o número diário de novas infecções e mortes não para de cair há meses. A Agência France Press detalha a corrente situação no gigante do sul da Ásia, numa altura em que a pandemia volta a acelerar um pouco por todo o mundo.

O que revelam os números oficiais?

A Índia deu a conhecer o seu primeiro caso de Covid-19 a 30 de Janeiro de 2020 e a sua primeira morte em meados de Março. O número de casos diários atingiu o auge em Setembro, com pouco mais de 97 mil infecções, de acordo com dados do Ministério da Saúde.

O país teve uma média de 1.000 mortes por dia em Setembro, antes de o número começar a diminuir. Na terça-feira foram registados apenas 8.635 novos casos e 94 mortes, ou seja, um mínimo em oito meses.

Com um total de 10,7 milhões de casos e 155.000 mortes, a Índia apresenta uma taxa de mortalidade que está entre as menores dos vinte países mais afectados.

Em comparação, os Estados Unidos, o primeiro país do mundo em casos e mortes, regista mais de 26 milhões de infecções e cerca de 450.000 mortes. De acordo com a universidade Johns Hopkins, a Índia tem 11,43 mortes por 100.000 habitantes, contra 136,55 nos Estados Unidos.

Será que os dados reflectem a realidade?

Segundo especialistas que se baseiam em diversos estudos sorológicos nacionais, o número de pessoas que contraíram a doença na Índia é provavelmente muito mais elevado do que os dados oficiais revelam.

Um estudo nacional realizado entre Dezembro e Janeiro em bairros urbanos e nas zonas rurais do país revelou que cerca de 21,5 por cento da população – 280 milhões de pessoas – tinham anticorpos.

Outro estudo publicado esta semana e conduzido em Nova Deli, uma das cidades indianas mais atingidas pelo vírus, concluiu que mais da metade dos 28.000 participantes tinham anticorpos.

Que medidas foram tomadas?

Os especialistas temiam grandes estragos em cidades indianas densamente povoadas, com más condições de higiene. O sistema de saúde, subfinanciado e com problemas crónicos, também sugeria o pior.

Desde o início da crise de saúde pública, o governo aplicou medidas para controlar a disseminação do vírus, como a suspensão dos voos internacionais e a imposição, em Março, de um dos mais rígidos confinamentos do mundo.

O uso da máscara passou a ser obrigatório em vários estados do país, e foram divulgadas campanhas informativas sobre as medidas a serem tomadas para evitar o contágio.

As restrições foram progressivamente relaxadas a partir de Junho para relançar uma economia fragilizada.

Médicos dos estados de Gujarat (oeste), Uttar Pradesh (norte) e Andhra Pradesh (centro), Delhi e Mumbai – que têm mais de 330 milhões de habitantes – disseram à AFP que constataram uma queda significativa no número de casos nos hospitais.

Em Deli, o governo afirma que 90 por cento das camas dedicadas a pacientes com Covid-19 estão desocupados: “Estamos a tratar apenas 40 a 50 pacientes neste momento”, disse à AFP Deven Juneja, médico de um grande hospital em Delhi, lembrando “as longas filas de espera” em Junho.

Imunidade colectiva?

Os especialistas consideram impossível explicar o retrocesso drástico na disseminação do vírus na Índia sem estudos mais conclusivos.

Mas os primeiros indícios sugerem que se trataria de uma situação de imunidade colectiva, o que significa que uma proporção significativa da população ficou imunizada contra a doença na maior parte da Índia: “Acredito que há um número suficiente de pessoas na Índia que foram expostas ao vírus. E essa é talvez a razão pela qual os casos estão a diminuir”, referiu, em declarações à AFP, o virologista Shahid Jameel.

O director regional da Organização Mundial da Saúde (OMS), Poonam Khetrapal Singh, é mais cauteloso: “A Índia é um país vasto e diverso, é difícil atribuir a queda dos casos à imunidade colectiva”.

Desde meados de Janeiro, a Índia está a vacinar a sua população com a ambiciosa meta de imunizar 300 milhões de pessoas até Julho.

Os especialistas dizem que é muito cedo para comemorar o afrouxamento das infecções na Índia: “Não devemos baixar a guarda”, adverte Singh. “Quanto mais permitirmos que o vírus se espalhe por toda parte, maior o risco de surgirem novas estirpes. Esse é um risco real, à escala global”, conclui.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.