Sputnik V com uma eficácia de quase 92 por cento

Uma análise preliminar dos dados da fase 3 dos testes clínicos da vacina contra o coronavírus Sputnik V, produzida na Rússia, indicam que o regime das duas doses oferece uma eficácia de 91,6 por cento para uma infecção assintomática e uma protecção aos maiores de 60 anos semelhante, de 91,8 por cento.

As informações foram publicadas na revista científica britânica “The Lancet” e são baseadas na avaliação das amostras de quase 20 mil voluntários. Ao todo, 75 por cento desse grupo recebeu o agente imunizante, enquanto ao restante foi oferecido um placebo.

Os testes da Sputnik V contaram com 2.144 participantes com mais de 60 anos, nos quais a eficácia da vacina foi de 91,8  por cento. Além disso, houve boa tolerância dos que receberam doses entre os idosos, que foram ao todo 1.369. Os efeitos adversos mais comuns foram sintomas de gripe e reacção no local da aplicação.

As reacções coincidem com a maioria dos efeitos adversos notificados nos outros grupos, que no geral foram também leves; os graves (os que requereram internamento hospitalar) foram escassos tanto no grupo de placebo (0,4 por cento) como no da vacina (0,2 por cento). Contudo, segundo os autores, estes não estiveram associados à vacinação.

Além disso, foram registadas quatro mortes entre voluntários, mas também sem qualquer relação com a aplicação da Sputnik V.

A vacina desenvolvida pelo Instituto Gamaleya e pelo Fundo Russo de Investimentos Directos contém dois vectores de adenovírus, rAd26-S e rAd5-S, que foram modificados para expressar a proteína S do SARS-CoV-2.

Os adenovírus foram enfraquecidos para que não se possam replicar nas células humanas, ficando assim impedidos de causar a Covid-19, uma técnica que teve a segurança confirmada por vários estudos.

Segundo a publicação de hoje, 21 dias após a primeiras dose, quando é esperada a aplicação da segunda, foram confirmados 16 casos assintomáticos de Covid-19 no grupo que recebeu a Sputnik V (0,1 por cento) e 62 no grupo do placebo (1,3 por cento), o que indica a eficácia geral de 91,6 por cento.

Além disso, a vacina induziu uma sólida resposta de anticorpos e uma resposta imunitária celular (das células T) na análise de eficácia que leva em conta apenas os casos assintomáticos.

O estudo apresentado, no entanto, não permite a avaliação da duração completa da imunidade oferecida pela Sputinik V.

Como parte da análise secundária, os autores exploraram a eficácia contra a Covid-19 moderada ou grave. Aos 21 da primeira dose, não houve nenhum caso dessa natureza no grupo que recebeu a vacina, e 20 entre os que receberam o placebo, o que indica uma proteção de 100 por cento.

A vacina russa já foi autorizada em países como a Argentina, a Bolívia, o Paraguai, a Venezuela, a Argélia, a Bielorrússia, o Cazaquistão, os Emirados Árabes, a Hungria, o Irão,  a Sérvia e o Turquemenistão.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.