Myanmar. Exército apresenta acusações contra Aung San Suu Kyi

O Exército do Myanmar, que na segunda-feira realizou um golpe de Estado, apresentou esta quarta-feira acusações contra a líder de facto do país e prémio Nobel da Paz, Aung San Suu Kyi. A governante é acusada de violar uma lei de importação e exportação. O deposto presidente do país, Win Myint, é acusado de violar as normas contra a Covid-19.

Segundo os relatórios policiais aos quais a agência espanhola Efe teve acesso, os militares acusam Suu Kyi, em prisão domiciliar desde segunda, por terem encontrado em sua casa um aparelho de rastreamento telefónico cujo uso só é permitido pelo Governo ou pelo Exército, o que lhe pode valer até três anos de prisão.

A polícia ainda moveu acusações contra o também deposto presidente, Win Myint, que é acusado de infringir a lei de gestão de desastres naturais, incluindo a pandemia, por ter deslocado 220 veículos para visitar algumas áreas com a sua esposa quando a presença da Covid-19 proibia a reunião de mais de 30 pessoas.

Kyi Toe, membro do comité central de comunicações da Liga Nacional para a Democracia (LND), confirmou no Facebook as acusações contra o presidente deposto e a conselheira de Estado.

Enquanto Win Myint foi interrogado numa instalação militar de Rangum, não está claro se Suu Kyi ainda está na sua residência oficial, em Naipyidaw, sob prisão domiciliar ou se também foi transferida para  interrogatório.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.