Mario Draghi aceita repto e forma Governo em Itália

O ex-presidente do Banco Central Europeu Mario Draghi aceitou esta quarta-feira a incumbência de formar um Governo de emergência em Itália, depois das negociações políticas para reeditar o Executivo de Giuseppe Conte terem fracassado.

“É um momento difícil, o presidente relembrou a dramática crise sanitária e os seus graves efeitos na vida das pessoas, na economia e na sociedade. A emergência requer soluções à altura. Respondo positivamente à convocatória do presidente”, disse Draghi, depois de se reunir com o chefe de Estado italiano, Sergio Mattarella.

O presidente apresentou a missão para enfrentar de forma imediata a crise económica e a pandemia da Covid-19 como uma alternativa à realização de novas eleições.

Draghi deverá constatar se conta com a maioria no Parlamento, uma tarefa indicada como difícil, pois a maior força, o Movimento Cinco Estrelas (M5S), que perdeu o Governo, já adiantou que não o vai apoiar, tal como a extrema-direita.

Para sair da crise, o presidente italiano optou por um Governo que classificou como “de alto perfil e institucional”, encarregado a um tecnocrata, como Draghi, que tem muito prestígio em Itália, e apelou ao apoio de todos os partidos com presença no Parlamento.

O nomeado a primeiro-ministro aceitou a incumbência com reservas, como indica o protocolo, e agora terá que negociar com os vários partidos, tendo já pedido “unidade e diálogo” para dar “uma resposta responsável e positiva”.

Em Itália, no entanto, o contexto é de intensos embates políticos, o que deverá tornar a missão de Draghi difícil.

O Partido Democrata (PD), de centro-esquerda; o Itália Viva, de centro; o Força Itália, do conservador Silvio Berlusconi; entre outros partidos, de centro, já manifestaram apoio à solução proposta por Mattarella.

Um dos líderes da extrema-direita, Matteo Salvini, também anunciou publicamente a preferência por novas eleições, embora admita esperar pelos planos do eventual Governo.

Após a aceitação “com reservas” da incumbência de formar Governo, Draghi deverá começar a trabalhar num programa de governo e na formação de uma equipa de ministros. Depois disso, iniciará rondas de consultas com os partidos à procura de apoios.

Se obter o apoio necessário, deverá voltar a encontrar-se com Mattarella para aceitar o cargo de maneira definitiva e tomar posse, antes de se submeter ao Parlamento, que deverá confirmar o seu nome como primeiro-ministro.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.