Zona Euro fechou 2020 com o desemprego nos 8,3 por cento

A taxa de desemprego da Zona Euro terminou 2020 em 8,3 por cento, já que o número não variou em Dezembro a respeito de Novembro, e manteve-se estável em 7,5 por cento durante o último mês do ano frente ao anterior no conjunto da União Europeia (UE), informou esta segunda-feira o gabiente de estatísticas comunitário, o Eurostat.

Em termos anuais, Espanha registou a segunda maior subida do desemprego entre os países da União Europeia sobre os quais o Eurostat publicou dados, já que o indicador cresceu 2,5 pontos percentuais face a Dezembro de 2019, uma subida idêntica à que foi registada pela Irlanda.

Nos 19 países que partilham a moeda única, o desemprego aumentou nove décimas face aos 7,4 por cento registados em Dezembro de 2019, enquanto que nos 27 a subida nesse período foi de um ponto percentual, face aos 6,5 por cento com que terminou 2019.

Por países, os maiores aumentos anuais em Dezembro de 2020 foram registados na Lituânia (mais 3,7 pontos, para os 10,1 por cento), Espanha (2,5 pontos, para os 16,2 por cento) e Irlanda (2,5 pontos, para os 7,2 por cento), Letónia (1,7 pontos, para os 8,2 por cento) e Áustria (1,5 pontos, para os 5,8 por cento).

Na comparação mensal, o maior aumento do desemprego entre Novembro e Dezembro de 2020 foi o da Áustria (mais 3 décimas, para os 5,8 por cento).

O Eurostat explicou que os dados publicados esta segunda-feira têm por base os critérios seguidos pela Organização Internacional do Trabalho (OIT), de acordo com os quais uma pessoa desempregada é um indivíduo sem trabalho que procurou de forma activa um emprego nas últimas quatro semanas e pode começar a trabalhar nas duas semanas seguintes.

Segundo disse, a pandemia de coronavírus e as medidas postas em prática para a combater levaram a um “forte aumento do número de pedidos de subsídio de desemprego” na União Europeia.

Ao mesmo tempo, “uma proporção significativa” das pessoas que se tinham registado nos centros de desemprego já não estavam activamente à procura de trabalho ou não podem trabalhar por vários motivos, como cuidar dos filhos, por exemplo.

Esta situação leva, segundo o Eurostat, a discrepâncias entre o número de desempregados registados nos serviços de desemprego e o número calculado de acordo com a definição da OIT.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.