Vaticano. Museus abrem depois de 88 dias fechados

Os Museus Vaticanos, que estavam entre os mais visitados do mundo antes da pandemia de coronavírus, reabriram as suas portas na segunda-feira após 88 dias encerrados, um privilégio que será desfrutado principalmente pelos residentes de Roma.

As monumentais portas do museu foram abertas na segunda-feira de manhã e entre os primeiros visitantes estavam Martina Sorrenti e Vincenzo Spina, dois guias turísticos: “Nos últimos anos, o museu foi a nossa segunda casa. Hoje quisemos voltar a descobrir este lugar, porque estava a perder-se na nossa memória”, confessou Vincenzo.

À medida que foi avançando pelas suas salas e corredores, o casal parou para contemplar as estátuas gregas, os sarcófagos egípcios, os mapas italianos, entre as peças mais famosas de uma das colecções de arte e história mais importantes do mundo.

O deus Apolo, o sacerdote Laocoonte, o herói Hércules, o atleta Doríforo estão entre as centenas de estátuas esculpidas em mármore que integram a colecção dos Museus Vaticanos.

Ao fim de 88 dias de encerramento obrigatório, o segundo desde o início da emergência sanitária, foi aberto também o sector do museu dedicado ao Antigo Egipto, com objetos da vida quotidiana encontrados em escavações de tumbas, como vasos, peças de bronze, sarcófagos e máscaras funerárias: “Hoje é um dia para festejar”, exclamou a diretora do museu, Barbara Jatta, ao receber as equipes de filmagem que percorriam os corredores quase vazios.

Jatta recomenda parar nos antigos apartamentos Borgia, a residência privada do papa Alexandre VI, falecido em 1503: “Entra-se  num ambiente admirável do século XV”, afirma.

Durante os longos meses fechados, a Capela Sistina, obra-prima da arte renascentista, conhecida pelos frescos de Michelangelo, com pinturas que cobrem todas as paredes à vista, inclusive o tecto, foi submetida a um grande controlo.

Foi realizada também uma complexa operação de limpeza da poeira das pinturas, que representam diferentes cenas e personagens da Bíblia.

A abertura dos Museus Vaticanos (de segunda a sábado, com reserva prévia), principal fonte de entrada de recursos para o Vaticano, constitui um alívio para as finanças do minúsculo estado.

A reabertura coincide com a campanha de vacinação contra a covid-19 de toda a equipa da Santa Sé, o que gera alguma tranquilidade.

Os museus receberam uma média de 23.000 visitantes por dia em 2019, e Bárbara Jatta calcula que a entrada passará para “milhares de pessoas” por dia nas próximas semanas.

A Cidade do Vaticano, que optou por garantir o emprego dos seus 5.000 funcionários, emprega 700 pessoas no museu, incluindo 300 guardas, além de restauradores da arte e historiadores.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.