Myanmar. Exército assume controlo do país e declara estado de emergência

O exército do Myanmar declarou esta segunda-feira o estado de emergência, ao tomar o controlo político do país durante um ano e depois de deter vários membros do Governo, de acordo com o canal de televisão controlado pelos militares.

O até agora vice-presidente, Myint Swe, que foi nomeado para o cargo pelos militares graças aos poderes que lhes são reservados pela actual Constituição, assume a presidência, apontou o canal Myawaddy News.

O tomada de poder por parte dos militares chega poucas horas depois da detenção de parte do Executivo, entre eles a sua líder de facto, Conselheira de Estado e Nobel da Paz, Aung San Suu Kyi, e o até agora presidente, Win Myint, além de outros políticos e activistas, informou um porta-voz do partido governamental Liga Nacional para a Democracia (LND).

As linhas de telefone e comunicações encontram-se cortadas desde o início desta manhã em todo o país, enquanto o único meio de comunicação a transmitir é o canal dos militares.

O parlamento de Myanmar estava agendado para realizar segunda-feira a primeira sessão da legislatura após as eleições de Novembro de 2020, quando a LND, partido de Suu Kyi, obteve uma vitória esmagadora.

Os rumores de um golpe de Estado tinham-se intensificado depois do porta-voz militar Zaw Min Tun, se recusar na terça-feira a descartar uma tomada de poder por parte do Exército depois de denunciar alegadas irregularidades nas eleições legislativas de 8 de Novembro.

O poderoso exército do Myanmar, que governou o país entre 1962 e 2011, quando começou uma transição controlada para a democracia, acaba de rejeitar assim essa possibilidade no sábado e garantiu em comunicado o seu compromisso de defender a Constituição.

A vitória esmagadora de Suu Kyi nas eleições demonstrou a sua grande popularidade na Birmânia, apesar da sua fraca reputação internacional devido às políticas contra a minoria rohingya, à qual é negada a cidadania e o voto, entre outros direitos.

As alegadas irregularidades foram primeiro comunicadas pelo Partido Solidariedade e Desenvolvimento da União (USDP), a antiga formação governamental criada pela anterior Junta Militar antes da sua dissolução.

A Comissão Eleitoral negou a fraude eleitoral nas eleições de Novembro, que foram ganhas por uma maioria esmagadora da Liga Nacional para a Democracia, que conseguiu 83 por cento dos 476 lugares do parlamento.

O USDP foi o grande perdedor nas eleições, ganhando apenas 33 lugares, e recusou-se a aceitar os resultados, chegando ao ponto de convocar novas eleições organizadas pelo exército.

Os militares, que redigiram a actual Constituição num guião para uma “democracia disciplinada”, já contavam com amplos poderes no país, detendo 25 por cento dos lugares no parlamento e os influentes ministérios da Administração Interna, Fronteiras e Defesa.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.