Clima. Degelo acelerou 65 por cento em três décadas

O degelo de glaciares e calotas polares acelerou com muita força nas últimas três décadas, seguindo os “piores cenários” previstos pelos especialistas e contribuindo de forma significativa para uma elevação dos oceanos perigosa para as comunidades costeiras, afirma um estudo dirigido pela Universidade britânica de Leeds.

O ritmo do degelo aumentou 65 por cento entre 1994 e 2017, de acordo com o estudo, que teve por base observações por satélite da criosfera (glaciares, calotas polares etc) publicado na revista The Cryosphere.

Um total de 28 biliões de toneladas de gelo desapareceram, “o equivalente a uma calota de gelo de 100 metros de espessura que cobriria todo o Reino Unido”, destacou a Universidade de Leeds num comunicado: “O ritmo de fusão do gelo na Terra aumentou significativamente nas últimas três décadas, passando de 800 mil milhões de toneladas por ano na década de 1990 para 1,3 biliões de toneladas por ano em 2017”, afirmou.

Embora todas as regiões estudadas sejam afectadas por este fenómeno, atribuído ao aumento das temperaturas atmosféricas e oceânicas, as perdas de gelo são maiores no oceano Ártico (7,6 biliões de toneladas) e no Antártico (6,5 biliões de toneladas). Os glaciares de montanha perderam 6,1 biliões de toneladas: “As calotas polares  ajustam-se agora aos piores cenários de aquecimento global estabelecidos pelo Painel Intergovernamental de Especialistas sobre a Mudança Climático” (IPCC), alertou Thomas Slater, o principal do estudo.

“Um aumento do nível do mar desta magnitude terá repercussões muito graves nas comunidades costeiras ao longo deste éculo”, acrescentou.

O degelo contribui indirectamente para um aumento global do nível do mar de 35 milímetros. E “calcula-se que cada centímetro de aumento do nível do mar ameaça deslocar cerca de um milhão de pessoas que vivem em planícies”, destaca o comunicado.

Em meados de Janeiro, as Nações Unidas alertaram que o mundo caminha para um aquecimento global “catastrófico” no século XXI, após registar em 2020 o ano mais quente, igualando níveis só alcançados em 2016.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.