Espanha. Agravamento da pandemia deixa hospitais em situação crítica

Fotografia: Arquivo

A pandemia tem vindo a ganhar força em Espanha, com uma incidência acumulada de quase 900 casos por 100 mil habitantes. O agravamento da crise de saúde pública ameaça saturar os hospitais, especialmente as unidades de cuidados intensivos, com a Covid-19 a ser responsável por 40,38 por cento da ocupação. Os dados foram avançados na segunda-feira pelo Ministério da Saúde espanhol.

Foram relatados 93.822 novos casos em território espanhol desde a última sexta-feira, elevando o total para 2.593.382 de infecções desde o início da crise sanitária, enquanto o número de mortos subiu para 52.208.

Com a incidência, os hospitais espanhóis estão em situação crítica, segundo o porta-voz do Ministério, o epidemiologista Fernando Simón, que destacou ser necessário um esforço para implementar medidas de controlo e apelou à responsabilidade pessoal de cada um.

Perante os mais recentes dados, todas as regiões espanholas esforçam-se para apertar as restrições para tentar enfraquecer a terceira vaga de contágio, e os agentes das diversas forças policiais reforçam o controlo para verificar se as medidas estão a ser respeitadas.

Assim, a Comunidade de Madrid, tradicionalmente a mais relutante a adoptar tais medidas, antecipou a partir desta segunda o recolher obrigatório para as 22h e o encerramento de bares, restaurantes e estabelecimentos não essenciais às 21h. Além disso, os encontros nesses locais ficam limitados a quatro pessoas.

As medidas são ainda mais rigorosas noutras regiões, como em Valência. Com uma incidência acumulada de 1.339 casos por 100 mil habitantes e 61 por cento de ocupação em cuidados intensivos, a região decidiu restringir os encontros em locais públicos a duas pessoas e mantém um cerco sanitário à comunidade.

Um mês vertiginoso

O panorama que Espanha apresentou na segunda-feira é muito diferente de um mês atrás, quando o país começou a celebrar o Natal e em todas as regiões as limitações foram relaxadas por duas semanas.

Foi um mês de vertiginoso e os números falam por si mesmos. A 24 de Dezembro havia uma incidência acumulada de 262,79 casos por 100.000 habitantes, enquanto hoje é de 884,70. Depois houve 1.854.951 infecções e esta segunda ultrapassa 2,5 milhões num país com 47,3 milhões de habitantes. O mesmo aconteceu com a quantidade de mortes, com mais 2.384 em 24 horas.

Há um mês a situação nos hospitais também era muito diferente, com uma ocupação de 8,80 por cento das camas com pacientes com Covid-19, enquanto agora é de 23,94 por cento. Mais preocupante é a situação nos cuidados intensivos, actualmente com uma taxa de ocupação média de 40,38 por cento, em comparação com 19,89 por cento há um mês.

Num momento em que Espanha está no auge da terceira vaga da pandemia, o ministro da Saúde, Salvador Illa, a cara do Governo durante a crise sanitária, deixa o cargo esta terç-feira para concorrer à presidência regional da Catalunha nas eleições de 14 de Fevereiro.

Desde que a candidatura foi divulgada, todas as forças políticas da oposição pediram a sua saída, considerando que se aproveitou da posição para impulsionar a carreira política. Porém, Illa adiou até ao último momento, alguns dias antes do início da campanha eleitoral.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.