Covid-19. Amazonas e São Paulo apertam restrições

O Amazonas começou a aplicar medidas restritivas tendo em vista o controlo da Covid-19 na segunda-feira e São Paulo começou a fazer o mesmo durante a noite, numa altura em que a segunda onda da pandemia não dá folga ao país, que conta já com mais de 217 mil mortes.

O Amazonas, estado brasileiro que soma proporcionalmente o maior número de mortes pelo novo coronarívus, limitou a circulação de pessoas a uma por núcleo familiar para fazer compras e impôs o encerramento de todas as lojas não essenciais até 31 de Janeiro.

O sistema de saúde em Manaus, a capital amazonense, entrou em colapso há duas semanas; a falta de oxigénio nos hospitais causou dezenas de mortes e obrigou a evacuação de mais de 200 pacientes para outros estados.

“Estamos em guerra” e sem medidas de confinamento a situação será “muito pior”, disse o presidente da Câmara de Manaus, David Almeida, em entrevista à AFP no sábado.

São Paulo, por sua vez, restringirá a vida nocturna às actividades essenciais, de segunda a sexta-feira, a partir das 20h, e por dois finais de semana inteiros. No estado mais rico e populoso do Brasil, a pandemia “mata uma pessoa a cada seis minutos”, disse João Gabbardo, coordenador executivo do departamento paulista de combate ao novo coronavírus, na semana passada.

O boletim semanal da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), prestigiada instituição de investigação, indicou no sábado que o Brasil enfrenta um “cenário preocupante”, pois desde o início do ano “nenhum estado apresentou tendência de baixa incidência ou mortalidade” do vírus.

Aponta, ainda, que a ocupação de camas para adultos em Unidades de Cuidados Intensivos (UTI) está “em zona de alerta crítico” em muitas capitais e que oito delas apresentam taxa de ocupação “de pelo menos 80 por cento”. No Rio de Janeiro, esse índice chega a 99,8 por cento e em Manaus, a 94,1 por cento.

O estado de Rondónia, na região amazónica, anunciou no fim de semana que tinha feito um acordo com o governo federal para transferir 543 pacientes afectados pelo covid-19 para outros estados.

Apesar da gravidade da pandemia, o presidente de extrema direita Jair Bolsonaro opõe-se às medidas de confinamento, devido ao seu impacto económico.

Com 211,8 milhões de habitantes, o Brasil começou a vacinar grupos prioritários na semana passada, mas actualmente tem 12,8 milhões de doses de duas vacinas (a chinesa CoronaVac e a britânica da AstraZeneca/ Oxford, que exigem duas aplicações) e a continuidade do processo depende de matérias-primas que devem chegar da China.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.