Eloise deixou quase sete mil desalojados em Moçambique

O ciclone Eloise afectou na sua passagem por Moçambique entre a madrugada de sexta-feira e  de sábado mais de 163.000,  6.859 desalojadas. A tempestade deixou mais de 5.000 casas destruídas, danificadas ou inundadas, de acordo com dados preliminares do Governo.

“Estes números poderão aumentar nos próximos dias à medida que se for conhecendo  a extensão total dos danos”, disse na segunda-feira em comunicado o gabinete da ONU para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA).

O Eloise enfraqueceu este sábado ao passar por Moçambique e, apesar das fortes chuvas, inundações e ventos, causou menos devastação do que se temia, numa área já devastadas pelo ciclone Idai em 2019.

O fenómeno tinha acabado de atravessar a ilha de Madagáscar como tempestade tropical, onde deixou pelo menos um morto, e tinha-se intensificado até ao estatuto de ciclone antes de perder força ao entrar em Moçambique: “Agora debilitada a tempestade tropical, vai trazer chuvas fortes a partes do Zimbabwe, África do Sul e Botswana”, disse o OCHA no Twitter.

Contudo, o Eloise deixou pelo menos 11 centros médicos afectados no seu caminho, bem como cerca de 137.000 hectares de terrenos de cultivo inundados.

Depois de fustigar Moçambique, o fenómeno deslocou-se para o sul do Zimbabwe, onde causou inundações, deslizamentos de terras e a morte de pelo menos três pessoas.

O Eloise segue agora em direcção para a África do Sul -onde a chuva poderá elevar o nível da água dos rios que desembocam em Moçambique e causar mais cheias- e, nos próximos dias, espera-se que chegue ao Botswana.

A chegada do Eloise a Moçambique era especialmente temida pelos seus efeitos potencialmente devastadores na mesma área do país que sofreu com a passagem catastrófica do ciclone Idai em Março de 2019, considerado o pior desastre natural do sudeste africano na sua história recente.

Só em Moçambique, o Idai causou pelo menos 600 mortes, deixou quase 2 milhões de pessoas a necessitar de assistência humanitária e, de acordo com avaliações da Federação Internacional da Cruz Vermelha, destruiu 90 por cento da cidade da Beira.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.