Vamos salvar Portugal

Esta sexta-feira foi, mais uma vez, um dia negro para Portugal, em tempo de pandemia.  Todos nós vimos  na televisão ambulâncias em longas filas de espera nos hospitais,  a angústia dos profissionais de saúde em não conseguirem manter o nível de atendimento, os crematórios que já começam a não dar conta de recado pelo elevado número de mortos e aquilo que qualquer médico mais temia: ter de escolher o doente que deve viver ou morrer por falta de meios técnicos e humanos . 

Jorge Sales Marques/Pediatra

É altura de colocarmos como prioridade no nosso país a redução imediata da mortalidade provocada pelo coronavírus. Temos  de usar todos os meios possíveis para impedir que esta tragédia nacional se agrave. Infelizmente, estamos  no topo do ranking mundial no que diz respeito tanto ao número de casos, como ao número de mortes por Covid 19 por cada milhão de habitantes. 

Numa situação de guerra contra um inimigo invisível e cada vez mais poderoso, é imperativo tomar medidas excepcionais para podermos recuperar  a ordem e a paz nos hospitais, na economia e na sociedade. 

É utópico pensarmos que numa situação pandémica e descontrolada como a que Portugal vive desde há mais de uma semana, a prioridade no atendimento nos hospitais não seja efectivamente dada ao pacientes com Covid 19. 

Qual será a melhor estratégia para inverter esta situação? A primeira, desde logo, parar durante duas ou três semanas o país inteiro. A segunda é fazer cumprir o confinamento total,  por meio de polícias e até de militares nas ruas, já que um grupo irresponsável de cidadãos teima em não cumprir as medidas sanitárias.

Temos também de unir esforços com todos os intervenientes envolvidos , desde políticos, estejam eles no poder ou na oposição, até aos profissionais de saúde das especialidades mais directamente ligadas a esta doença tais, sejam eles médicos intensivistas, internistas, anestesistas, pneumologistas , infectologistas, pediatras e profissionais de saúde pública .

Todos os hospitais públicos e privados devem entrar neste luta em simultâneo, em prol dos cidadãos. A estratégia consiste em aumentar o número de hospitais Covid no norte, centro e sul do país. As enfermarias com outras patologias seriam fechadas e transformadas apenas para receber os doentes Covid com risco leve a moderado com necessidade de internamento. Estes mesmos doentes, também poderiam ficar internados em hospitais de campanha  usando como exemplo o Pavilhão Rosa Mota ou mesmo a Meo Arena. Em casos extremos, os pavilhões desportivos poderiam também ser adaptadas para esta solução . Os outros doentes não Covid seriam transferidos para outras unidades hospitalares da área geográfica que não tenham esta responsabilidade de receber doentes Covid.

Qual será a melhor estratégia para inverter esta situação? A primeira, desde logo, parar durante duas ou três semanas o país inteiro. A segunda é fazer cumprir o confinamento total,  por meio de polícias e até de militares nas ruas, já que um grupo irresponsável de cidadãos teima em não cumprir as medidas sanitárias.

Para que este plano desse certo, o recrutamento dos profissionais para estes hospitais, iria implicar flexibilidade na deslocação do seu hospital de origem para o hospital Covid . 

Concentrar-se-iam nestes hospitais mais profissionais, directamente implicados no diagnóstico, tratamento e seguimento dos doentes com Covid 19 . 

Numa situação de emergência sanitária, para além da necessidade de cumprimento das regras por parte da população, é fundamental que o governo e os profissionais de saúde do país estejam de mãos dadas para, num esforço que se adivinha sobre-humano, travar esta catástrofe nacional . 

A união faz a força. Com confiança, capacidade e coragem na tomada de decisões, tudo é possível . O povo unido jamais será vencido.  Este grito de luta não se aplica apenas na política . Neste desastre sanitário, é a única forma de conseguirmos erradicar o vírus e salvar Portugal. Um desafio ao nosso alcance, se estivermos todos juntos. Mesmo depois de vacinados, teremos de manter as medidas sanitárias. Não podemos perder mais tempo. Actuem rapidamente e com coragem. Para ganhamos vidas.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.