Covid-19. Primeiro-ministro da Mongólia renuncia após polémica

O primeiro-ministro da Mongólia anunciou a sua renúncia nesta quinta-feira,  um dia depois de centenas de pessoas terem saído à rua em Ulan Bator para denunciar o tratamento dado a uma jovem mãe, infectada com covid-19, e ao seu filho recém-nascido.

A Mongólia impôs rigorosos controlos fronteiriços e está a ser muito pouco afectada pela epidemia. No entanto, a aparição em Novembro dos primeiros casos de transmissões locais gerou confinamentos e restrições que se tornaram impopulares.

O descontentamento transformou-se, esta semana, em fúria após a divulgação na televisão de um vídeo em que aparece uma mãe, que parecia ter acabado de dar à luz, a ser transferida de um hospital para um centro de tratamento de doenças infecciosas.

Nas imagens, a mulher está vestida com um simples pijama e sandálias de plástico, numa altura em que as temperaturas invernais na capital chegam aos 25 graus abaixo de zero.

A divulgação das imagens gerou uma manifestação. E os protestos de quarta-feira em frente à sede do governo levaram o primeiro-ministro Khurelsukh Ukhnaa a anunciar a sua demissão.

Também renunciaram o vice-primeiro-ministro, o ministro da Saúde e os chefes do hospital e do centro de tratamento de doenças infecciosas.

Até o momento, a Mongólia regista 1.584 casos de coronavírus e três mortes.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.