Quirguistão elege novo presidente. Populista Khaparov é o favorito

Sadyr Japarov, Kyrgyzstan's Prime Minister and presidential candidate, attends his campaign rally ahead of the presidential election in Bishkek, Kyrgyzstan, January 8, 2021. REUTERS/Vladimir Pirogov

Os eleitores do Quirguistão votaram neste domingo no âmbito das eleições presidenciais cujo favorito é o populista Sadyr Khaparov, libertado da prisão em Outubro pelos seus apoiadores durante a última crise neste país da Ásia Central com uma história política conturbada. A ascensão de Khaparov foi meteórica desde que foi libertado da prisão, onde cumpria pena por sequestro.

As assembleias de voto abriram às 08h00 e fecharam às 20h00.. Os primeiros resultados deverão ser anunciados ainda esta noite.

Nesta ex-república soviética, elogiada pelo seu pluralismo, mas considerada a mais instável da região, mudanças políticas repentinas são frequentes.

Os críticos de Sadyr Khaparov, de 52 anos, temem que a sua vitória leve a um regime autoritário como  o que vinga nos países vizinhos: Cazaquistão, Uzbequistão e Tadjiquistão, todos comandados com mão de ferro desde a queda da URSS.

Na capital Bishkek, muitos eleitores disseram à AFP que tinham votado em Khaparov: “Ele prometeu aumentar os salários e o valor das reformas”, declarou Vera Pavlova, uma aposentada, que disse que durante a campanha viu apenas “cartazes e propaganda a favor de Khaparov”

Além do presidente, os quirguizes votam neste domingo em várias emendas constitucionais que visam mudar a forma de governo: dar primazia ao Parlamento ou à presidência. Khaparov é a favor da segunda opção.

Instabilidade

Durante a crise política em Outubro, desencadeada por eleições legislativas consideradas fraudulentas pela oposição, Sadyr Khaparov foi libertado da prisão pelos seus apoiantes e, em seguida, um tribunal anulou a sua condenação.

Desde então, Khaparov esforça-se para se apresentar como inimigo do crime organizado e da corrupção. Os seus detractores, no entanto, afirmam que ele tem ligações com o submundo.

Na sexta-feira, em Bishkek, no seu último comício, Khaparov adoptou um tom unificador e convidou a multidão a ” unir-se” e “a tratar os outros com compreensão e respeito”: “Somos um país, um povo”, declarou.

Com uma economia enfraquecida pela pandemia do coronavírus, o próximo presidente terá que lidar com uma forte dependência da China e da Rússia, um aliado onde trabalham centenas de milhares de migrantes quirguizes.

Aquando da última crise política, o presidente russo, Vladimir Putin, criticou a instabilidade política do Quirguistão.

O embaixador da China reuniu-se nos últimos meses com importantes autoridades quirguizes para garantir a protecção das empresas chinesas, algumas das quais foram atacadas por entre o caos que tomou conta das ruas no Outono.

O Quirguistão passou por duas revoluções, em 2005 e 2010, bem como episódios de violência étnica e as crises políticas são recorrentes.

As legislativas de Outubro foram canceladas pelas autoridades na esperança de resolver a crise, mas o então presidente Sooronbai Kheenbekov teve que ceder e renunciar duas semanas depois, sob pressão dos partidários de Khaparov.

Foi a terceira vez que um chefe de Estado quirguiz renunciou após manifestações desde a independência em 1991. Khaparov assumiu o comando do Estado interinamente, mas deixou o cargo para se candidatar à presidência.

O seus rivais afirmam que na campanha ele beneficiou dos recursos do Estado, nos quais os seus aliados ocupam todas as posições-chave.

Na sexta-feira, o comité de segurança nacional informou que examina elementos que indicam que “alguns candidatos presidenciais e os seus apoiantes” organizam tumultos após as eleições. Não esclarece quem.Bekjol Nurmatov, um aposentado de 77 anos, acusa Khaparov de ter “atirado as pessoas para o caos” no ano passado e diz que votará  num rival, Adakhan Madumarov.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.