Conde de São Januário. Obra de Cutileiro guardada, mas não esquecida

A obra da autoria de João Cutileiro que se encontrava no átrio de entrada do Centro Hospitalar Conde de São Januário está armazenada até que seja encontrado um lugar adequado onde possa ser novamente exposta ao público. O conjunto escultórico – conhecido pelo nome de “Menina Reclinada” – foi retirado pela direcção do hospital público aquando do início das obras de demolição do edifício da antiga escola de saúde pública, apurou o Expediente Sínico junto de fonte conhecedora do processo.

A escultura é um dos dois exemplares de arte pública que o escultor alentejano, falecido esta terça-feira, em Lisboa, criou em Macau.

O mais famoso é o conjunto escultórico que Cutileiro criou, há mais de duas décadas, no jardim do Centro Cultural de Macau. A obra – um barco de pedra com cavaleiros preparados para guerra – foi inaugurada a 19 de Março de 1999, na recta final do período de administração portuguesa, pelo então presidente da República de Portugal, Jorge Sampaio.

Para conceber o conjunto arquitectónico, o escultor inspirou-se nos guerreiros de terracota de Xian – os cavaleiros – e no monumental barco de pedra ancorado no lago do Palácio de Verão, em Pequim. As  peças que integram a escultura pesam 79 toneladas e foram concebidas em ruivina, o mármore cinzento da região de Estremoz, ao longo de um período de três anos.

As esculturas dos cavaleiros e o barco estão colocadas frente a frente e “preparadas para a guerra” num lago artificial equipado com jogos de água que criam uma neblina em volta das peças. O conjunto escultórico está instalado no local onde decorreu a cerimónia de transferência da Administração do território entre Macau e a República Popular da China, a 19 de Dezembro de 1999.

A obra de Cutileiro, que concebeu também a peça que esteve durante anos patente ao público no  Centro Hospitalar Conde S. Januário, custou na altura ao governo cerca de três milhões de patacas. O montante incluiu o transporte das peças até ao território em quatro contentores, de acordo com informações veículadas na altura pela agência Lusa.

A ligação de João Cutileiro ao território é, no entanto, mais antiga. Em 1988, o escultor foi convidado pelo Instituto Cultural, à época liderado por Carlos Marreiros, para uma grande exposição na Galeria do então edifício do Leal Senado. O arquitecto e gestor cultural é um dos coleccionadores privados que conservam em sua posse peças do escultor alentejano, falecido na terça-feira, aos 83 anos.

Em 1999, e em paralelo com as obras encomendadas pela última administração portuguesa de Macau, Cutileiro desenvolveu o projecto “Dragão”, criado a pedido do arquitecto Francisco Caldeira Cabral, para uma iniciativa no Canal dos Patos. A maquete de “Dragão” esteve em exposição em Évora, no Outono de 2018, numa mostra que agrupou mais de 60 maquetas das esculturas públicas criadas por João Cutileiro.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.