Novo Macau pede intervenção da UNESCO para proteger a colina da Penha

A Associação Novo Macau voltou na segunda-feira a pedir à UNESCO que defenda os imóveis distinguidos com o estatuto de Património Mundial no território. A principal associação pró-democracia da RAEM insurge-se contra o que diz ser as ameaças colocadas por dois projetos urbanísticos que vão nascer no sopé da Colina da Penha e que coloquem em risco o enquadramento paisagístico do local, protegido pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura.

A Associação Novo Macau enviou esta segunda-feira uma carta à UNESCO em que se mostra preocupada com “o impulso dado a dois projectos altamente controversos da Zona C do Lago Nam Van”. A organização aponta o dedo ao Executivo, por desrespeitar uma consulta pública conduzida em 2019 em que a população foi ouvida sobre a altura dos edifícios na zona.

Os activistas da Novo Macau lembram que, ao longo dos últimos anos, fizeram chegar por várias ocasiões as suas preocupações à UNESCO sobre as ameaças à paisagem da Colina da Penha e da Colina da Guia. Na carta, lembram ainda que o Executivo continua sem apresentar um plano de Protecção e Gestão do Centro Histórico de Macau, apesar de ter apresentado em Setembro último as linhas gerais do Plano Director do território para os próximos 20 anos: “A ausência de um mecanismo de protecção legal fez com que o plano de desenvolvimento em torno da zona tampão tivesse um impacto negativo sobre a consistência e integridade visual do Centro Histórico”, escreve a associação na carta enviada à UNESCO. “Quando os dois recentes projectos de planeamento para a Zona C do Lago Nam Van se tornarem realidade, cortarão completamente a única paisagem montanhosa histórica aberta na Península de Macau”, salienta ainda a maior plataforma pró-democracia da RAEM.

Na carta, a Novo Macau faz chegar à UNESCO “novas informações” e pede à organização para “supervisionar a conservação do Património Mundial de Macau” e “inste” o Governo de Macau a rematar o Plano de Protecção e Gestão do Centro Histórico de Macau “o mais rapidamente possível”.

Em Outubro último, na altura em que decorria o período de consulta pública sobre o Plano Director, a associação já tinha alertado para os danos ambientais irreversíveis que os planos de ordenamento definidos pelo Governo para os próximos 20 anos podem causar ao território. Uma das preocupações elencadas pela organização dizia precisamente respeito à zona da Colina da Penha.

Na altura, a Associação Novo Macau defendia que as medidas de protecção da paisagem entre a Capela de Nossa Senhora da Penha, a ponte e a vista para o mar “são seriamente insuficientes e extremamente frágeis” e recordava que os novos edifícios a construir nessa zona são da mesma altura do cume da montanha: 62,7 metros.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.