União Europeia denuncia condições de migrantes na Bósnia

Asian migrants camp on the road in the vicinity of Maljevac border crossing with neighboring Croatia, near Northern-Bosnian town of Velika Kladusa, on October 24, 2018. - In their struggle with large number of in coming migrants, Bosnian authorities have provided two additional capacities, in abandoned army barracks in Hadzici and a former appliance factory in Bihac. Regardless of the authority's efforts, groups of migrants chose to leave Bosnia and attempt an illegal crossing into neighboring Croatia, hoping to travel further into the EU countries. (Photo by ELVIS BARUKCIC / AFP) (Photo credit should read ELVIS BARUKCIC/AFP/Getty Images)

A vida de centenas de migrantes na fronteira da Bósnia com a União Europeia (UE) está em perigo e a situação em que se encontram “é totalmente inaceitável”, denunciou neste sábado um enviado especial europeu ao país.

Depois de um incêndio ter arrasado um acampamento nas imediações da cidade bósnia de Bihac, em 23 de Dezembro, cerca de mil migrantes estão deixados à sua sorte, perante o rigoroso Inverno bósnio. “A situação é totalmente inaceitável. A vida e os direitos fundamentais de centenas de pessoas estão seriamente em risco”, declarou o representante especial da União Europeia na Bósnia, Johann Sattler, após se ter reunido com o ministro bósnio da Segurança, Selmo Cikotic, para discutir a situação.

O acampamento de Lipa foi abandonado no fim de Dezembro pelas equipes da Organização Internacional para as Migrações (OIM), que consideraram que o mesmo não reunia condições para abrigar pessoas durante o Inverno, uma vez que não contava com electricidade ou água corrente. Em protesto, os migrantes incendiaram o local.

A OIM e a Comissão Europeia, que financia centros de acolhimento de migrantes na Bósnia, pediram a reabertura de outro centro em Bihac, mas as autoridades locais e regionais não concordaram.Cerca de 8,5 mil migrantes que sonham em instalar-se na Europa ocidental encontram-se na Bósnia, onde 6 mil estrangeiros vivem em centros de acolhimento, ao passo que entre 2,5 mil a 3 mil sobrevivem sem abrigo, de acordo com a OIM.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.