Doze anos de prisão para historiador russo que desmembrou a namorada

O historiador russo Oleg Sokolov foi condenado a 12 anos e meio de prisão em São Petersburgo na sexta-feira por matar e esquartejar a sua companheira, um caso que reabriu o debate sobre violência doméstica na Rússia.

Sokolov “estava totalmente ciente de suas acções no momento do crime”, disse a juíza Yulia Maksimenko ao proferir o veredicto mnm tribunal da antiga capital imperial russa.

A defesa do professor de História proclamou o seu “descontentamento” com a sentença, pois não se pronunciou sobre um possível recurso.

Sokolov foi detido em 10 de Novembro de 2019. O académico declarou-se culpado e foi julgado desde o início de Junho por assassinato e posse ilegal de armas.

A polícia capturou-o no rio Moika embriagado e encontrou na sua mochila dois braços de mulher e uma arma. Outros fragmentos do corpo da vítima foram encontrados posteriormente noutro riacho da cidade.

O historiador de 63 anos, um especialista em Napoleão da Universidade Estatal de São Petersburgo, rapidamente confessou ter matado e esquartejado uma das suas antigas alunas, Anastassia Echtchenko, de 24 anos, com quem vivia.

Sokolov alegou ter cometido o assassinato de forma acidental ao disparar contra ela para “colocar fim a uma avalanche de insultos” durante uma discussão, de acordo com a agência de notícias Ria Novosti. Os advogados da vítima, porém, disseram que o professor universitário premeditou o acto.

O Ministério Russo solicitou uma pena de 15 anos de prisão contra Oleg Sokolov.

A conceituada Universidade Estatal de São Petersburgo foi questionada pela falta de acção, uma vez que Sokolov já tinha sido acusado de violência em 2008.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.