Organizador de orgias gays de Bruxelas acusa a polícia de homofobia

O organizador da orgia realizada no passado dia 27 de Novembro, em Bruxelas, em que 25 homens foram multados por não respeitarem as normas anti-Covid, entre eles o já demitido eurodeputado ultraconservador húngaro József Szájer, acusou a polícia por suposta actuação homofóbica.

David Manzheley, anfitrião do polémico acto no centro de Bruxelas, onde não se respeitava a limitação de contactos sociais e que contou também com a participação de dois diplomatas, transmitiu a sua denúncia ao Comité Permanente de Controlo de Serviços da Polícia, segundo informou o jornal belga “Le Soir”.

Depois da controversa festa, Manzheley denunciou à imprensa a forma como os agentes trataram os participantes na altura da sua identificação: “Sentimos que é necessário que sejam tomadas acções contra a polícia porque pensávamos que aqui em Bruxelas podíamos estar seguros e protegidos, mas infelizmente a polícia começou a insultar-nos, chamando-nos ‘maricas’ e coisas muito piores”, disse Manzheley à agência Efe na altura.

O anfitrião acrescentou que os agentes empurraram “homens nus enquanto faziam sexo para pedir os seus cartões de identidade”, algo que, na sua opinião, indicava que “estavam à procura de conflito”: “Porque é que a polícia pede documentação a alguém que está nu?”, interroga.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.