Covid-19. Governo exige saber locais frequentados por residentes

A partir de quinta-feira e até 7 de Janeiro, os residentes de Macau vão ser obrigados a discriminar a morada de residência e os locais habitualmente frequentados no formulário relativo à emissão do código de saúde. O não cumprimento dos requisitos, esta quarta-feira anunciados pelo Executivo, podem ser punidos com seis meses de prisão ou uma multa até 60 dias.

As autoridades de Macau anunciaram esta quinta-feira que vão exigir, no âmbito do combate à pandemia, dados adicionais aos residentes de Macau no preenchimento do código de saúde.

A informação agora exigida deve ser acrescentada ao código de saúde ‘online’ a partir da véspera de Natal e até 7 de Janeiro. Quem não cumprir as novas exigências pode incorrer numa pena de prisão de até seis meses ou numa multa de até 60 dias.

Os códigos de saúde são códigos QR que, uma vez gerados, diferenciam com cores os graus de risco de contágio pela Covid-19, com o vermelho a banir as pessoas de entrarem em serviços públicos e espaços comerciais, por exemplo.

Os dados solicitados a partir de quinta-feira implicam o preenchimento da morada de residência e dos locais habitualmente frequentados. A medida faz parte de uma nova política de prevenção das autoridades para responder à detecção de eventuais casos com maior rapidez e eficácia, com o propósito de travar potenciais contágios.

O anúncio surge num momento em que o Governo está a reforçar as políticas de combate à pandemia do novo coronavírus, com o reforço das restrições fronteiriças e o aumento do período de quarentena de 14 para 21 dias.

Macau não regista novos casos de infecção há cerca de seis meses. Desde o início da crise de saúde pública, o território identificou apenas 46 contágios, mas o território nunca se viu confrontado com cadeias de transmissão local.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.