Covid-19. Número de mortos no Brasil volta a superar a barreira do milhar

O Brasil registou na quinta-feira 1.092 mortes por Covid-19, superando pela primeira vez desde 30 de Setembro a barreira dos mil óbitos em 24 horas, de acordo com um balanço oficial.

O total de mortes desde o início da pandemia no país é de 184.827, superado no mundo somente pelos Estados Unidos. Nas últimas 24 horas foram detectadas também 69.826 novas infecções, naquele que é o segundo maior balanço diário após o recorde registado na quarta-feira, quando foram identificados 70.574 casos.

Mais de 7,1 milhões de pessoas contraíram o vírus no Brasil, que conta com uma população de 211,8 milhões de habitantes. A maior nação sul-americana tem vindo a registar desde Novembro um aumento no número de casos de contágios. As estatísticas preocupam os especialistas nas vésperas das festas de fim de ano, quando é esperado um maior fluxo de pessoas em várias das regiões do país.

Na última semana faleceram, em média, 723 pessoas por dia. Desde Junho até meados de Agosto, o país manteve uma média de quase mil mortes por dia, um número que caiu para pouco mais de 300 em Novembro antes de voltar a subir e alcançar o nível actual.

O Rio de Janeiro, com 17 milhões de habitantes, é o estado com a maior taxa de mortalidade: 140 óbitos para cada 100.000 habitantes, contra 88 em todo o resto do país e 97 em São Paulo, o estado mais povoado.

As autoridades locais suspenderam as comemorações de fim de ano na praia de Copacabana e os desfiles das escolas de samba durante o carnaval, à espera de uma vacina que permita voltar a celebrar estes momentos de júbilo, caracterizados precisamente por grandes aglomerações.

Vacina obrigatória

O Supremo Tribunal Federal autorizou nesta quinta o Executivo, governadores e prefeitos a estabelecerem como obrigatória a vacina contra o novo coronavírus, em oposição à ideia de imunização voluntária, defendida pelo presidente Jair Bolsonaro.

Dez dos 11 ministros do Supremo Tribunal determinaram que as autoridades podem tornar obrigatória a vacinação por vias indirectas, mediante a aprovação de uma lei que estabeleça restrições a quem não quiser se imunizar, como a proibição de participar em determinados eventos públicos.

Os juízes esclareceram que a decisão não implica uma vacinação forçada, mas a medida representou um duro revés do Supremo contra um presidente céptico no que diz respeito à gravidade da pandemia.

Bolsonaro, que contraiu a Covid-19 em Julho e recuperou após 20 dias de repouso, disse em várias oportunidades que não se tenciona deixar vacinar e tentou semear dúvidas sobre a segurança das vacinas: “Se o cara não quer ser tratado, que não seja. Eu não quero fazer uma quimioterapia e vou morrer, o problema é meu, pô”, disse o presidente na quinta-feira durante um evento em Porto Seguro, no sul do estado da Bahia.

“O idiota que está dizendo que eu dou um péssimo exemplo: eu já tive o vírus, eu já tenho anticorpos, pra que tomar vacina de novo?”, acrescentou o chefe de Estado.

Pouco depois de a pandemia chegar ao Brasil, em Fevereiro, o Supremo Tribunal autorizou governadores e autarcas a ordenarem medidas de distanciamento social, como o confinamento e o encerramento de estabelecimentos comerciais, apesar de Bolsonaro rejeitar taxativamente estas opções, advertindo para os seus efeitos nocivos para a economia.

Apesar de reiterar que ele próprio não se iria vacinar, o presidente disse esta semana, ao lançar o plano nacional de imunização, que com as vacinas o Brasil poderá “voltar à normalidade”.

O plano de vacinação, que poderá arrancar em Fevereiro, após algumas vacinas em desenvolvimento receberem o aval da Anvisa, prevê vacinar inicialmente os grupos de risco e imunizar a maioria da população em 16 meses.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.