“The Crown” tem por base especulações, lembra o Governo britânico

O secretário de Estado britânico responsável pela pasta da comunicação social, John Whittingdale, defendeu na terça-feira que a série “The Crown”, sobre a intimidade da Família Real britânica, é uma dramatização baseada em “especulações” sobre os factos históricos.

“Boa parte (da série) consiste por exemplo em conversas entre Sua Majestade a rainha (Isabel II) e a sua irmã, a princesa Margarida, ou entre a rainha e o seu marido. Não acredito que a Netflix estivesse no quarto naquele momento, pelo que inevitavelmente é uma dramatização”, disse Whittingdale a uma comissão da Câmara dos Comuns.

O ministro da Cultura, Oliver Dowden, enviou este mês uma carta à produtora americana a pedir que fosse incluído um aviso explícito que se trata de um trabalho de ficção, algo que a empresa de conteúdo audiovisual recusou.

“Sempre apresentamos a ‘The Crown’ como um drama e confiamos plenamente que os nossos parceiros compreendem que é um trabalho de ficção, baseado em grande medida em acontecimentos históricos. Por isso não temos planos, e não vemos necessidade, de incluir um aviso”, indicou a Netflix num comunicado enviado à imprensa.

Apesar da recusa, Whittingdale enfatizou na terça-feira que “não haveria mal” recordar os espectadores que a série “não está baseada em qualquer conhecimento profundo, sendo uma dramatização com base na imaginação ou especulações de alguém sobre o que possa ter acontecido”.

Alguns dos acontecimentos abordados pela série “The Crown” são “polémicos” e envolvem pessoas como o actual príncipe de Gales, Carlos de Inglaterra, e os seus filhos, William e Harry, disse o secretário de Estado: “Esses eventos geraram emoções e pontos de vista diferentes” na sociedade britânica, acrescentou Whittingdale.

Apesar das possíveis controvérsias, uma sondagem difundida pelo jornal “The Sunday Times” no início deste mês sugere que a popularidade dos principais membros da Família Real britânica aumentou com a emissão da série: 35 por cento dos espectadores afirma que a sua impressão dos membros da monarquia melhorou “muito ou um pouco”, e só para 18 por cento é que “piorou um pouco”, segundo esse estudo.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.