Tesouro “inestimável” de objectos arqueológicos apreendido em França

A Alfândega francesa fez uma de suas maiores apreensões de objetos arqueológicos que foram saqueados, representando uma pilhagem de 27.400 objetos de “valor inestimável”, acumulados ao longo dos anos por um misterioso usurpador no leste da França. A informação foi avançada pelos serviços alfandegários franceses na terça-feira.

Conduzida ao longo de mais de um ano por uma equipe de agentes da Alfândega francesa, em cooperação com as autoridades belgas e os serviços descentralizados do Ministério da Cultura, a investigação permitiu esta apreensão recorde, afirmou o organismo.

O responsável pelo golpe concentrou-se em diversos sítios históricos de referência do leste da França onde, equipado com detectores de metais e uma cultura científica arqueológica muito sólida, reuniu, durante anos, esta colecção inédita para fins pessoais e comerciais.

Natural da região do Grande Leste, o francês começou a despertar suspeitas das autoridades ao declarar, em 2019, que tinha encontrado 14.154 moedas romanas por acaso, num terreno que tinha adquirido na Bélgica.

Os especialistas belgas enviados ao local tiveram dúvidas sobre a autenticidade desta descoberta e encaminharam o caso para a Direcção Nacional Francesa de Inteligência e Investigações Aduaneiras (DNRED), responsável pela luta contra o tráfico de bens culturais.

O DNRED considera que “o tesouro monetário que despertou as suspeitas provém de diversos episódios de rouba na França”.

Em casa do homem, os investigadores encontraram 27.400 objectos de qualidade excepcional, de diferentes épocas, incluindo um raríssimo dodecaedro romano, um objeto de 12 lados, do qual existem apenas algumas unidades no mundo.

Após a investigação, o caso será encaminhado para a Justiça francesa. Além de uma multa colossal, o suspeito pode ser condenado à prisão.

Esta apreensão é “uma mensagem clara dirigida àqueles que, para benefício e prazer egoísta de alguns, nos privam do nosso património comum e apagam partes inteiras da nossa história”, reagiu o ministro francês da Economia, Bruno Le Maire,  num comunicado, no qual se referiu a um “tesouro inestimável”.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.