Suiça. PSD quer ver Portugal fora da lista vermelha das autoridades helvéticas

O Partido Social Democrata perguntou na segunda-feira ao Governo o que está a fazer para reverter a decisão da Suíça de colocar Portugal em lista vermelha no âmbito da pandemia de Covid-19. Os sociais-democratas consideram a decisão “extremamente grave” por ter por base dados dados desactualizados.

Numa interpelação escrita entregue na Assembleia da República e dirigida ao ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, os sociais-democratas consideram que a decisão da Suíça, que entrou na segunda-feira em vigor, de impor quarentena no regresso a quem viajar de Portugal “é baseada em dados do Centro Europeu de Prevenção e Controlo de Doenças que se encontram completamente desactualizados”.

“Trata-se de uma situação extremamente grave que irá estragar as férias de uma das maiores comunidades de estrangeiros estabelecidas nesse país e que, todos os anos, após um ano de trabalho na Suíça, tenta encontrar as suas famílias no período de férias de Natal”, sublinham os sociais-democratas. O PSD lembra que mais de dez mil portugueses já assinaram uma petição contra esta decisão.

O PSD refere ter tido conhecimento, pela comunicação social, que o Ministério dos Negócios Estrangeiros teria informado a Suíça dos números actuais de infecção, mas alerta que “o Natal está a aproximar-se e esta decisão ainda não foi revertida”: “O governo português está a promover negociações, informações ou outras diligências diplomáticas para que a decisão, que tanto prejudica toda a comunidade portuguesa na Suíça, possa ser revertida com a maior urgência?”, questionam os deputados do PSD.

Desde segunda-feira, todos os portugueses que viajem para o seu país de origem estão obrigados a fazer uma quarentena de 10 dias após o seu regresso a território helvético.

Desde o início da pandemia, Portugal registou 5.694 mortes e 350.938 casos de infecção pelo vírus SARS-CoV-2, estando na segunda-feira activos 71.012, menos 851 casos em relação a domingo.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.