Japão. “Assassino do Twitter” condenado à morte

Um japonês de 30 anos, conhecido como o “assassino do Twitter”, foi condenado à morte esta terça-feira por um tribunal de Tóquio pelo assassinato de nove pessoas que conheceu pela internet. Durante o julgamento, Takahiro Shiraishi admitiu que matou e esquartejou oito mulheres e um homem, com idades entre os 15 e os 26 anos.

“Eu entendi”, afirmou no tribunal quando os juízes perguntaram se tinha escutado o veredicto.

O réu já tinha declarado no mês passado que estava “preparado” para aceitar o veredicto, descartando a possibilidade de uma recurso. Agora, no entanto, não demonstrou certeza se a resolução será cumprida.

Os advogados de Shirashi solicitaram a pena de prisão perpétua, alegando que ele não deveria ser condenado à pena de morte porque as vítimas, que expressavam tendências suicidas nas redes sociais, teriam dado consentimento aos assassinatos.

Mas esta versão dos factos, que foi contestada pelo próprio acusado, também foi rejeitada pelo tribunal, assim como as tentativas dos seus advogados de apontar possíveis transtornos psiquiátricos ao seu cliente, uma estratégia para tentar obter uma sentença mais leniente: “Nenhuma das nove vítimas consentiu em ser assassinada, incluindo consentimento silencioso”, afirmou o juiz, de acordo com o canal de televisão público NHK.

O magistrado classificou os actos como “extremamente graves” e considerou que a “dignidade” das vítimas foi “espezinhada”.

Takahiro Shiraishi esquartejou os corpos das vítimas e armazenou os restos mortais no seu pequeno apartamento de Zama, um subúrbio situado no sudoeste de Tóquio.

A 31 de Outubro de 2017, a polícia encontrou 240 pedaços de corpos humanos armazenados em arcas congeladoras ou em caixas de ferramentas cobertas com areia para gatos, numa uma tentativa de disfarçar o odor. Os agentes das forãs de segurança também encontraram tesouras, facas, uma serra e várias ferramentas de carpintaria no imóvel.

O caso chocou o Japão, país com reduzido índice de criminalidade, e também teve forte impacto internacional.

Shiraishi entrava em contacto com as vítimas pelo Twitter e afirmava que estava disposto a ajudá-las a concretizar os planos suicidas e até mesmo a morrer ao lado delas.

A polícia prendeu-o quando investigava o desaparecimento de uma mulher de 23 anos. O irmão da vítima conseguiu entrar na sua conta do Twitter, onde descobriu uma troca de mensagens com uma conta suspeita.

A conta foi identificada como uma das que Shiraishi utilizava para se apresentar como “carrasco profissional”.

Antes de se tornar um assassino, o suspeito, de aparência comum trabalhou durante anos no recrutamento de mulheres jovens para clubes na zona de Kabukicho, o distrito da luz vermelha de Tóquio.

O caso do “assassino do Twitter”, como a imprensa japonesa passou a denominar o crime, suscitou um enorme debate no país sobre o controlo das redes sociais, bem como sobre o suicídio e sua prevenção.

O Japão tem a maior taxa de suicídio entre os países do G7: quase 20.000 pessoas acabam com a vida a cada ano que passa, numa população de 126 milhões de pessoas.

O Japão é um dos poucos países desenvolvidos que não aboliu a pena de morte e onde a opinião pública é maioritariamente a favor da medida.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.