Morreu a irmã Juliana Devoy, activista pelos direitos da mulher

Fotografia: Ana Cecília Marques/O Clarim

Foi na Região Administrativa Especial de Macau, o rosto da luta contra o tráfico humano e uma das vozes mais activas na defesa de uma lei que pudesse proteger verdadeiramente as vítimas de violência doméstica. A irmã Juliana Devoy, antiga directora do Centro do Bom Pastor, faleceu esta manhã no Centro Hospitalar Conde de São Januário, aos 83 anos.

A religiosa dedicou grande parte da vida à luta pelos direitos das mulheres, tendo sido uma das principais instigadoras da lei da violência doméstica actualmente em vigor no território.

O trabalho que desenvolveu ao longo das últimas décadas na liderança do Centro do Bom Pastor valeu-lhe o reconhecimento do Governo de Macau por duas ocasiões. O Executivo da RAEM atribuiu-lhe em 2012 a medalha de mérito altruístico; em 1997, Juliana Devoy já tinha recebido a medalha de mérito filantrópico, atribuída pela então administração portuguesa de Macau.

Juliana Devoy nasceu no estado norte-americano do Nebraska em 1937. Aos 17 anos, logo depois de terminar o ensino secundário, integrou a Congregação de Nossa Senhora da Caridade do Bom Pastor, organização com a qual acabou por rumar a Hong Kong em 1963. Permaneceu na antiga colónia britânica até 1988, ano em que se mudou para Macau, onde viveu durante os últimos trinta anos.

Numa das últimas grandes entrevistas que concedeu à imprensa local, em Outubro de 2018 ao semanário “O Clarim”, Juliana Devoy dizia que Macau lhe deu a oportunidade de ajudar os outros de uma forma que seria impensável em qualquer outro lugar do mundo, mas sustentava que ainda havia muito a fazer para transformar Macau numa cidade mais justa. A luta por um processo de adopção mais humano foi uma das últimas batalhas da antiga directora do Centro do Bom Pastor.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.