Brasil. Presépio mostra Menino Jesus negro numa Amazónia calcinada

Não é bem o presépio habitual de Belém. Neste Natal, Jesus nascerá no Brasil, no meio de uma Amazónia devastada pelas chamas. E será um bebé negro, filho de uma virgem negra, rodeado de querubins indígenas.

Esse presépio natalino repleto de simbolismo atrai olhares curiosos na Zona Sul do Rio de Janeiro, onde a Igreja do Santuário do Sagrado Coração de Jesus tem uma tradição de expor assuntos contemporâneos na sua representação anual do nascimento do menino Deus que, para os cristãos, dividiu a história num antes e num depois.

Havia muitos temas para escolher em 2020, mas a paróquia escolheu dois temas que se tornaram mais relevantes no Brasil desde que o presidente Jair Bolsonaro assumiu o cargo no ano passado: racismo e o aumento do desmatamento na Amazónia.

“O presépio mostra que as pessoas que queimam a Natureza, pessoas que agridem os seus irmãos por diferenças de cor, não têm Deus no coração”, afirma Maurício Rodrigues dos Santos, porta-voz do templo católico.

Há uma década este santuário cria presépios que carregam mensagens, aproveitando a sua localização privilegiada perto da muito movimentada estação de metro da Glória, frente à sede da arquidiocese do Rio.

Há dois anos, a igreja exibiu uma Maria a amamentar o seu bebé, depois de vários incidentes em que as autoridades impediram as mães de alimentar os seus filhos em público. No ano anterior, o presépio teve como tema o combate à corrupção, acabando por ser vandalizado.

No último ano, o padre Wanderson Guedes, o artista que dá vida às exibições, descartou a luta contra o desmatamento da Amazónia como tema depois de receber ameaças.

Mas este ano a igreja, que monta os presépios graças ao trabalho voluntário e às doações dos seus fiéis, decidiu abraçar o tema e incluir uma mensagem anti-racista.

São temas que voltam incessantemente à tona no Brasil governado por Bolsonaro. O presidente defende a exploração agrícola e a mineração em boa parte da maior floresta tropical do mundo. Durante os seus dois anos de mandato, a desflorestação na Amazónia atingiu níveis recordes em mais de uma década e os incêndios multiplicaram-se.

Bolsonaro também foi acusado de fomentar um discurso de ódio por fazer comentários pejorativos sobre negros e índios no país.

Apesar das tensões políticas, Dos Santos diz que a igreja não tem medo de represálias devido ao seu novo presépio: “Se eles vierem, como já vieram radicais, e quebrarem uma peça, eles quebram uma peça. A gente refaz. A gente tem um ano para refazer tudo” disse à AFP. “Mas não quebra a ideia. Não quebra a motivação. Não quebra o espírito. Isso permanece. Esse menino (Jesus) inteiro aqui, ou esse menino quebrado, têm mensagens diferentes, e as duas mensagens são muito importantes”, finaliza.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.