Rússia. No duelo entre a vacina e a vodka, ganha a vodka

O alerta das autoridades de saúde russas de que qualquer pessoa que for vacinada contra a Covid-19 com a vacina Sputnik V deve parar de consumir álcool por quase dois meses deixou alguns russos enfurecidos.

Anna Popova, provedora do governo russo para a área da saúde, disse à rádio Komsomolskaya Pravda, na terça-feira, que as pessoas devem parar de beber álcool pelo menos duas semanas antes de tomar a primeira das duas injecções. Depois disso, devem abster-se por mais 42 dias.

A Sputnik V, licenciada sob um processo acelerado antes do final dos testes clínicos, foi dada a médicos, soldados, professores e assistentes sociais na primeira etapa, e uma vacinação em grande escala nacional deve começar esta semana. As duas injecções são administradas com um intervalo de 21 dias: “Isto é algo que realmente me incomoda”, disse Elena Kriven, residente de Moscovo. “É improvável que eu consiga ficar sem beber durante 80 dias e acho que o stresse no corpo por ficar sem álcool, especialmente durante o período de festas, seria pior do que os efeitos colaterais da vacina ou que os seus supostos benefícios”, afirmou.

Muitos russos passarão os primeiros 10 dias de 2021 a relaxar em casa ou no exterior e o  período associado a um maior consumo de álcool. Os russos estão entre os que mais bebem no mundo, embora o consumo renha vindo a cair drasticamente desde 2003.

Popova alertou que o álcool reduziria a capacidade do corpo de criar imunidade à Covid-19: “É uma pressão para o corpo. Se queremos ser saudáveis e ter uma forte resposta imunológica, não bebam álcool”, disse a responsável.

O alerta foi desmentido por Alexander Gintsburg, que ajudou a desenvolver a vacina. A conta da Sputnik V no Twitter publicou esta quarta-feira uma recomendação dele com uma imagem do actor de Hollywood Leonardo DiCaprio erguendo uma taça de champanhe.

“Uma taça de champanhe não faz mal a ninguém, nem mesmo ao seu sistema imunológico”, disse Gintsburg.

O especialista afirmou, no entanto, que é prudente reduzir o uso de álcool a uma quantidade razoável enquanto o corpo desenvolve imunidade, mas assegura que não há necessidade de se abster completamente.

No entanto, de acordo com Gintsburg, é crucial evitar o álcool três dias antes e depois das duas injecções necessárias. Ele disse que o conselho é o mesmo para qualquer pessoa que se vacine em todo o mundo e não é específico para a Rússia ou para a Sputnik.

O tópico gerou uma discussão animada nas redes sociais: “Vocês deviam ter informado sobre a redução do consumo de álcool em primeiro lugar”, escreveu um utilizador do Facebook, Pavel Goriachkin. “É absolutamente impossível para a maioria das pessoas no nosso país.”

Outro utilizador, Konstantin Roninyo, escreveu: “Nem sequer me vou inscrever, apesar de beber raramente. Beber no Ano Novo é sagrado!”

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.