Neandertais enterravam os seus mortos, defende novo estudo

Falecido há 41.000 anos, um menino neandertal foi enterrado pelos seus semelhantes no importante sítio pré-histórico de La Ferrassie, no sudoeste da França, revelou esta quarta-feira  um estudo que reforça a tese que a prática de ritos funerários não é exclusiva do Homo Sapiens.

Apesar de terem encontrado dezenas de esqueletos de mulheres e homens neandertais na Europa e na Ásia com sinais claros de terem sido enterrados, os arqueólogos mantêm um certo cepticismo quanto a esta prática. A possibilidade entra em contradição com a imagem primitiva que os neandertais carregam há muito tempo.

Este novo estudo publicado na revista Scientific Reports, realizado por uma equipe internacional multidisciplinar, poderá dar definitivamente resposta a essa questão: “É uma história digna de caçadores de tesouros!”, conta à AFP o paleontólogo Antoine Balzeau, do Centro Nacional para a Pesquisa Científica de França (CNRS), que dirige o estudo com Asier Gómez Olivencia, da Universidade do País Basco (Espanha).

Há pouco tempo, nas colecções do Museu do Homem de Paris onde trabalha, Balzeau encontrou uma caixa com os restos ósseos de um menino de dois anos, escavados em 1973  num refúgio rochoso de La Ferrassie.

O esqueleto do bebê foi identificado já nos anos 1970, mas o seu contexto geológico não foi estudado. A caixa, onde os seus restos mortais se encontravam, também continha o misterioso dente de um adulto, sem nenhuma descrição, mas com um número.

Com essa pista, o investigador foi ao Museu Nacional de Arqueologia de Saint-Germain em Laye, em Paris,  onde estão armazenados os restos das antigas escavações: “Havia dezenas de cadernos, caixas, relatórios. Abri o primeiro e em um minuto encontrei a descrição do dente” e a sua origem exacta.

A sua equipa reviu, então, todo material que tinha recolhido da caixa de escavação onde encontrou o corpo do menino e o dente e retirou 47 novos corpos humanos que não tinham sido identificados.

Para entender melhor o que tinham em mãos, os cientistas decidiram voltar a La Ferrassie. A camada de sedimentos onde encontraram o menino tinha 60.000 anos e o corpo do bebê, 41.000, “o que demonstra que alguém escavou uma cova para o colocar ali e cobriram-no depois”, aponta Antoine Balzeau.

A resposta está na geologia

Depois de encontrar sete corpos diferentes, as hipóteses de um enterro em La Ferrassie configuravam-se plausíveis, mas “não passavam de meras especulações, na ausência de uma análise geológica que comprovasse que o que havia ali era uma sepultura”, explica o cientista.

Graças a um conjunto de técnicas modernas, foi possível demonstrar “pela primeira vez, de forma clara, que estamos perante um enterro”, acrescentou.

“Muitos arqueólogos se opõem ainda hoje à ideia de que os neandertais enterravam os seus mortos, porque não tínhamos a capacidade de comprovar isso. Mas também porque existe um julgamento de valor em comparação com o Homo sapiens”, afirma este investigador.

“Pensamos que o Homo sapiens era superior ao Neandertal e, a partir deste preconceito, estudamos a história, quando o que tem que ser feito é começar pelos dados arqueológicos”, continua.

Há anos, os cientistas demonstram como os neandertais, que viveram entre 400.000 e 40.000 anos antes de nossa era, formavam uma espécie complexa com práticas modernas como a ornamentação dos corpos ou o fabrico de ferramentas sofisticadas.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.