França. Ministério Público pede quatro anos de prisão para Sarkozy

O Ministério Público francês pediu na terça-feira uma pena de 4 anos de prisão, com dois de pena suspensa, para o antigo presidente do país, Nicolas Sarkozy, pelos crimes de corrupção e tráfico de influência.

O procurador Jean-Luc Blachon, durante um julgamento que decorre em Paris, considerou que os delitos foram comprovados por conversas telefónicas entre o ex-chefe de governo e o advogado Thierry Herzog, que foram interceptadas pela polícia.

Para o responsável pela defesa de Sarkozy foi pedida a mesma pena, além do impedimento do exercício da advocacia por cinco anos. Além disso, foi também solicitada pena de quatro anos, com dois isentos, para o ex-juiz do Supremo Tribunal Gilbert Azibert, que foi acusado de se ter corrompido em troca de oportunidades de ascensão na carreira.

Blanchon defendeu que o trio realizou um “pacto de corrupção” em Fevereiro de 2014, com o juiz a ajudar Sarkozy a obter informações sobre um caso, para depois receber um cargo no Conselho de Estado do Mónaco.

Herzog, por sua vez, que é considerado amigo de ambos, foi descrito pela acusação como a mente responsável pela aliança.

As palavras mais duras nas conclusões do procurador público foram para Sarkozy, que foi acusado de ter “manchado o posto de presidente”, que ocupou entre 2007 e 2012, com acções tomadas por considerar que o poder permitia tudo: “Como estes actos foram cometidos por homens cujo compromisso profissional e político era de alto nível, prejudicaram consideravelmente o tecido institucional que constitui o Estado de direito”, disse Blanchon.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.