Uma das maiores quintas verticais da Europa abre as portas na Dinamarca

Uma luz púrpura subtil ilumina centenas de caixas empilhadas onde alface, ervas aromáticas e couve brotam pacientemente numa das maiores quintas “verticais” da Europa, que acabou de abrir numa das maiores zonas industriais de Copenhaga.

Enormes armários com catorze níveis de prateleiras erguem-se do chão ao tecto num enorme hangar com sete mil metros quadrados, usado pela startup dinamarquesa Nordic Harvest. Os produtos que aqui são cultivados serão colhidos em média 15 vezes por ano, embora nunca entrem em contacto com o solo ou recebam luz solar.

Os vegetais são iluminados por 20.000 lâmpadas LED, vinte e quatro horas por dia.

Minúsculos robots, munidos com bandejas de sementes, movem-se de um corredor para o outro, circunstância que dá à quinta um toque ainda mais futurista. Os tabuleiros, em papel de alumínio estão quase vazios, mas a alface e outras verduras não tardarão a brotar.

Anders Riemann, fundador e CEO da Nordic Harvest, espera colher cerca de 200 toneladas de produção no primeiro trimestre de 2021 e quase 1.000 toneladas anuais quando a quinta, que emprega 50 funcionários, estiver a operar totalmente no final do mesmo ano. O empreendimento torna o armazém Taastrup uma das maiores fazendas verticais da Europa.

Neutros em emissão de dióxido de carbono

As quintas verticais foram recebidas com maus olhos pelos agricultores rurais, que questionam a sua capacidade de alimentar o planeta e criticam o consumo de electricidade e o preço final com que os produtos chegam aos consumidores.

Porém, Anders Riemann destaca os aspectos ecológicos da fazenda, com produtos cultivados nas imediações dos maiores centros de consumidor e o uso que se faz de energias verdes e renováveis: “Uma fazenda vertical caracteriza-se por não agredir o meio ambiente, reciclando toda a água, nutrientes ou fertilizantes”, explica Riemann, que garante que não usa qualquer fertilizante tóxico no processo de produção.

Na Dinamarca, líder na Europa em parques eólicos, cerca de 40 por cento da electricidade é gerada de fontes renováveis: “No nosso caso, usamos 100 por cento da energia produzida pela energia eólica, o que nos torna neutros em termos de dióxido de carbono”, acrescenta o produtor.

Embora não queira revelar o valor da conta de eletricidade da Nordic Harvest, Riemann acrescenta que a energia vem de “certificados eólicos” registados na bolsa de energia dinamarquesa.

Os documentos legais garantem que “a quantidade de electricidade consumida num ano é equivalente à electricidade produzida por turbinas eólicas numeradas no mar”, ressalta Riemann.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.