Aposentada chinesa divide a casa com 1300 cães

Image processed by CodeCarvings Piczard ### FREE Community Edition ### on 2020-12-07 06:18:04Z | |

Wen Junhong dedica todo o seu tempo,  todas as suas economias e todos o espaço disponível que tem em casa aos seus cães. No sudoeste da República Popular da China, a mulher de 68, abriga mais de 1.300 , resgatados da rua, na casa onde vive. O abrigo improvisado recebe novos hóspedes todos os dias.

Há 20 anos, Wen recolheu um cachorrinho abandonado de uma rua da cidade de Chongqing. Desde então, não parou de retirar das ruas cães perdidos, protegendo-os de acidentes, de condutores incautos e até da faca do açougueiro.

“É importante que alguém se ocupe destes cães”, explica a enérgica aposentada. “A Terra não foi feita apenas para o ser humano, também pertence aos animais”, defende Wen.

Embora ter um animal doméstico possa ser considerado algo “burguês” e estivesse proibido até ao final do século passado pelo governo comunista, a tendência inverteu-se nos últimos 20 anos e milhões de chineses agora possuem um animal de quatro patas, apesar de às vezes acabarem  por os abandonar.

A China, que não tem uma lei sobre o bem-estar animal, possui dezenas de milhões de cães e gatos de rua, de acordo com a associação AnimalAsia.

Os animais não costumam ser esterilizados, o que gera uma grande pressão sobre as organizações de defesa dos direitos dos animais. Wen encontra frequentemente novos inquilinos frente à sua porta e recebe “pedidos de ajuda todos os dias”. Além de 1.300 cachorros, Wen também aloja centenas de gatos, quatro cavalos, coelhos e pássaros.

De mudança em mudança

Um dia típico para Wen Junhong começa às 4h00, com a ingrata tarefa de retirar entre 20 e 30 baldes de excrementos. Depois, prepara o pequeno almoço dos hóspedes: 500 quilogramas de alimentos, que Wen cozinha ela mesma num enorme wok.

Cada uma das divisões da casa que partilha com os animais está cheio de gaiolas empilhadas umas sobre as outras.

A casa é a mais recente de Wen até ao momento, que se viu obrigada a mudar várias vezes, perseguida pelo descontentamento dos vizinhos.

A venda de sua anteiga permitiu o financiamento da actividade, para a qual Wen também contraiu um empréstimo de 60.000 yuans (cerca de 9.000 dólares). Os animais absorveram as poupanças que fez ao longo da vida e o seu cheque mensal de aposentada como técnica ambiental.

Desde que se tornou conhecida nas redes sociais, Wen passou também a receber doações. A aposentada espera que a sua fama incentive as pessoas a adoptarem um animal de estimação, embora os recém-chegados continuem a superar os que se vão: durante a breve visita que a AFP fez ao local chegaram mais seis animais.

A fama, no entanto, também lhe rende  críticas: “Estar trancado numa gaiola minúscula não é melhor do que estar na rua”, diz um internauta.

Para a ajudar, Wen conta com seis funcionários, que dormem num único quarto, cheio de sacolas de comida para os animais.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.