China realiza primeiro acoplamento na órbita lunar

A sonda chinesa Chang’e 5, que transporta amostras da superfície lunar para trazê-las à Terra, conseguiu acoplar neste domingo a um módulo na órbita lunar, uma nova conquista para o programa espacial chinês, informou a imprensa estatal chinesa.

A manobra faz parte de uma ambiciosa missão de trazer de regresso à Terra rochas do seu satélite natural pela primeira vez em mais de 40 anos. A Chang’e 5 é composta de várias partes: um orbitador (que permanece na órbita lunar durante a missão), um módulo de pouso (que alunou na superfície da Lua) e um módulo de descolagem, que impulsiona o aparelho do solo à órbita lunar.

Foi este último que, carregado com amostras de solo lunar, atracou ao orbitador na manhã dw domingo, de acordo com a agência de notícias oficial Xinhua, que cita a agência espacial nacional (CNSA).

A agência Xinhua especifica que é para Pequim “o primeiro encontro e o primeiro acoplamento realizado na órbita lunar”.

A descolagem da cápsula a partir da superfície lunar na quinta-feira também foi histórica para a China, já que foi a primeira vez que Pequim lançou uma nave a partir de um corpo extraterrestre

As amostras, colocadas primeiro no módulo de descolagem, foram transferidas para uma “cápsula de retorno”, que fará a viagem de volta ao planeta azul, de acordo com a Xinhua.

Se tiver sucesso, a  República Popular da China será o terceiro país a ter extraído amostras do satélite natural da Terra, depois dos Estados Unidos e da antiga União Soviética nas décadas de 1960 e 1970.

A última tentativa foi feita com sucesso pela antiga União Soviética em 1976, com a missão desabitada Luna 24.

O módulo chegou à Lua na terça-feira e exibiu a bandeira chinesa, de acordo com imagens divulgadas pela televisão pública CCTV.

A missão constitui uma nova etapa do programa espacial chinês, que no início de 2019 conseguiu pela primeira vez na história o pouso de um aparelho no lado oculto do satélite.

Não é a primeira vez que o gigante asiático lança um dispositivo para o satélite natural da Terra como parte do programa Chang’e, baptizado com o nome de uma deusa da Lua, segundo a mitologia chinesa.

A agência espacial chinesa conseguiu pousar dois pequenos robôts guiados remotamente (os “Coelhos de Jade”), em 2013 e 2019.

A China despejou milhares de milhões de dólares no seu programa espacial para alcançar a Europa, a Rússia e os Estados Unidos.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.