Pequim e Washington precisam de boa vontade para melhorar relações, diz diplomata

A República Popular da China e os Estados Unidos da América precisam de agir juntos com “boa vontade” para melhorar as relações, uma vez que os laços entre as duas maiores potências económicas do mundo continuam tensos, afirmou neste sábado o embaixador chinês em Washington.

As relações sino-americanas caíram para o seu ponto mais baixo em décadas devido a questões como o comércio e a segurança, direitos humanos e COVID-19. Na sexta-feira, um editorial  da imprensa  estatal chinesa disse que os laços estão a mudar para “um caminho perigoso”: “Para colocar as relações no caminho certo, para ter uma melhoria real das relações, ambos os lados devem proceder com boa vontade e boa fé”, disse o embaixador Cui Tiankai na videoconferência da Conferência Anual do Instituto de Estudos China-América.

“Não acho que a China deva ter que fazer algo para agradar a ninguém aqui”, disse o diplomata, de acordo com uma transcrição postada no portal da sua embaixada.

As tensões entre os dois países aumentaram drasticamente em Julho, quando a China fechou o consulado dos Estados Unidos da América na cidade de Chengdu, no sudoeste, em retaliação pelo encerramento do consulado chinês em Houston, Texas.

No início do ano, Washington limitou o número de cidadãos chineses autorizados a trabalhar nos escritórios norte-americanos das grandes empresas chinesas de comunicação social. Pequim expulsou jornalistas norte-americanos dos escritórios chineses do jornal New York Times, do Wall Street Journal e do Washington Post.

Quando questionado pelo presidente do Comité Nacional de Relações Estados Unidos-China, Steve Orlins, se a China está preparada para reabrir o consulado de Chengdu, entre outros gestos positivos, antes que o presidente eleito Joe Biden tome posse em Janeiro, Cui não descartou a possibilidade: “Devo dizer que não iniciamos o encerramento dos consulados. Não fomos os primeiros a pedir que jornalistas estrangeiros saíssem do país. Fizemos tudo isso em resposta a acções tomadas pelos Estados Unidos da América. Se o governo dos EUA estiver pronto para reverter o curso, estamos prontos para rever esse aspecto”, disse Cui.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.