“Sol artificial”. China activa reactor experimental de fusão nuclear

Technical personnel checks the China’s HL-2M nuclear fusion device, known as the new generation of "artificial sun", at a research laboratory in Chengdu, in eastern China's Sichuan province on December 4, 2020. - China successfully powered its "artificial sun" nuclear fusion reactor for the first time, state media reported on December 4, marking a great advance in the country's nuclear power research capabilities. (Photo by STR / AFP) / China OUT

A República Popular da China activou com sucesso, nesta sexta-feira o seu reactor experimental de fusão nuclear mais avançado, adiantou a agência estatal de notícias Xinhua, o que marca um grande passo na investigação do gigante asiático para produzir energia com baixa emissão de carbono.

O país, o principal poluidor do mundo, alicerçou o seu crescimento económico tendo por base combustíveis fósseis e a cada ano que passa continua a criar novas centrais eléctricas de carvão altamente poluentes.

Mas a China é também é o país do mundo que mais investe em energia renovável. Em particular, realiza experiencias em domínios como a fusão nuclear, considerada pelos seus defensores como a energia do amanhã, pois é infinita como a do Sol e não produz resíduos nem gases de efeito estufa.

Para isso, a República Popular da China conta com o reactor Tokamak HL-2M, o maior e mais avançado dispositivo de pesquisa experimental de fusão nuclear do país, na província de Sichuan. Trata-se de uma câmara de confinamento magnético que gera calor suficiente para fundir núcleos atómicos.

O reactor é conhecido pelo nome de “Sol artificial”, devido à temperatura que pode ultrapassar 150 milhões de graus, segundo a Xinhua, ou seja, dez vezes o calor produzido no próprio coração do Sol.

O reactor irá “fornecer suporte técnico essencial para a China” como parte da sua participação no projecto internacional Iter sobre reactores de fusão experimental, o maior projeto de investigação de fusão nuclear do mundo sediado na França. O projecto deverá estar concluído em 2025, indicou o engenheiro-chefe Yang Qingway, citado pela Xinhhua.

“O desenvolvimento da energia de fusão nuclear não é apenas uma forma de resolver as necessidades estratégicas de energia da República Popular da China, mas também tem grande importância para o futuro desenvolvimento sustentável da energia e da economia nacional da China”, acrescentou o Diário do Povo.

A investigação sobre fusão nuclear não é nova. As câmaras de confinamento magnético foram inicialmente concebidas na URSS. Outros foram construídas na Europa, Estados Unidos, Japão e Coreia do Sul.

A fusão nuclear (cujo princípio já é usado na explosão das bombas H) não deve ser confundida com a fissão (divisão dos átomos) que opera nas usinas atómicas clássicas.

A dificuldade é manter as temperaturas de forma sustentável e contê-las em materiais resistentes.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.