Observatório de Arecibo permanece aberto após colapso de telescópio gigante

A estação de observação astronómica de Arecibo, em Porto Rico, não vai fechar as portas, apesar do colapso do seu famoso radiotelescópio esta semana, disseram os responsáveis pela estrutura na quinta-feira, sem avançar com mais detalhes sobre o futuro do complexo.

A National Science Foundation of America (NSF) “não fechará o Observatório de Arecibo”, disse Ralph Gaume, director de ciências astronómicas da organização, numa conferência de imprensa.

O responsável acrescentou que estava “profundamente entristecido” pela perda do telescópio, que tinha “um futuro brilhante com muitos resultados científicos ainda para anunciar”.

O radiotelescópio, um dos maiores do mundo, desabou na terça-feira quando dois cabos que sustentavam  instrumentos científicos com um peso de 900 toneladas se romperam, causando “danos significativos” à antena parabólica de 305 metros de diâmetro.

Vídeos do acidente divulgados na quinta-feira mostram o colapso de dois dos cabos que estavam ligados a uma das torre de betão que apoiavam o telescópio. Instável, a estrutura caiu alguns segundos depois e perfurou parte da parabólica.

A estrutura já estava fragilizada pela quebra de cabos numa das torres de apoio nos dias 10 de Agosto e 6 de Novembro.

O telescópio foi, então, considerado muito instável e irreparável, e a NSF tomou a decisão de demolir a estrutura: “A situação era perigosa”, explicou Ralph Gaume. “Depois de 6 de Novembro, os cabos poderiam ter-se rompido a qualquer momento, não podíamos prever quando isso viria a acontecer, mas sabíamos que aconteceria.”

Gaume acrescentou que o acidente não se ficou a dever à falta de dinheiro da entidade responsável pela gestão operacional do complexo, a University of Central Florida (UCF): “A Universidade tinha todos os fundos necessários para prosseguir com as tentativas de estabilização e reparação”, acrescentou Gaume.

Embora a estação de Arecibo permaneça aberta, o responsável não quis comentar sobre uma possível substituição do telescópio: “A NSF tem um processo muito bem definido de financiamento e construção de infraestruturas muito grandes, incluindo telescópios”, disse ele. “É um processo que leva vários anos e envolve financiamento do Congresso e estudos sobre as necessidades da comunidade científica”.

O telescópio de Arecibo foi usado por astrónomos de todo o mundo e permitiu a descoberta dos primeiros planetas que orbitam outra uma estrela que não o Sol.

Em operações durante 57 anos, a enorme estrutura também serviu de cenário a filmes como “Contacto” e “007 contra GoldenEye”.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.