Hong Kong. Prisão preventiva para Jimmy Lai

O magnata da vizinha Região Administrativa Especial de Hong Kong, Jimmy Lai, figura de destaque na luta pró-democracia, foi colocado em prisão preventiva esta quinta-feira,  como parte de uma investigação por fraude, num dos vários processos judiciais contra dissidentes e críticos de Pequim na antiga colónia britânica.

À noite, outra figura da oposição de Hong Kong, o ex-deputado Ted Hui, contra quem deverá ser deduzida uma acusações devido à participação em protestos pró-democracia, anunciou que tinha decidido “partir para o exílio”, depois de um tribunal ter autorizado que participasse numa conferência na Dinamarca.

Outros líderes pró-democracia já tinham fugido dos longos braços da repressão chinesa, o que não foi o caso de Lai,  de 73 anos, dono do tabloide “Apple Daily”, conhecido pelo compromisso que assumiu com o movimento pró-democracia e pelas suas críticas ao Executivo de Hong Kong, alinhado com Pequim.

Esta quinta-feira, o empresário e dois dos seus principais executivos, Royston Chow e Wong Wai-keung, compareceram em tribunal por acusações de fraude. De acordo com os documentos judiciais, a sede do jornal seria utilizada para fins que não estariam previstos no contrato de aluguer do edifício.

Centenas de agentes realizaram uma operação de buscas em Agosto no edifício, incluindo na redação do Apple Daily.

Vários funcionários do grupo de comunicação, incluindo Lai, foram detidos sob suspeita de “conluio com forças estrangeiras”, com base na lei de segurança nacional imposta em Junho por Pequim na vizinha Região Administrativa Especial. Até ao momento, nenhum deles foi acusado formalmente com base na lei, mas há uma investigação em andamento.

Caução rejeitada

Nesta quinta-feira, o tribunal que examinava as acusações de fraude rejeitou o pedido de fiança de Lai, mas concedeu o benefício a Wong e Chow, com a próxima audiência a ser agendada para Abril. Isso significa que o empresário milionário, fotografado com as mãos algemadas, passará os próximos meses na prisão: “Os Estados Unidos da América estão consternados com a perseguição política do governo de Hong Kong contra os bravos defensores da democracia”, declarou o secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo, sem anunciar novas punições.

Pequim aumentou nos últimos meses a pressão sobre a antiga colónia britânica, em particular com a lei de segurança promulgada em Junho. Em 2019, Hong Kong viveu a sua crise política mais grave desde a devolução do território à República Popular da China, em 1997.

Vários nomes importantes da oposição foram impedidos de disputar as eleições legislativas, adiadas por um  ano, sob a alegação do risco relacionado com a pandemia do novo coronavírus. Vários membros do Parlamento perderam desde então os seus mandatos. A restante oposição renunciou em solidariedade.

Dezenas de activistas pró-democracia também foram acusados ou detidos. Ontem, três figuras de destaque do movimento em favor da democracia, entre elas Joshua Wong, foram condenadas a penas de prisão pela sua participação nas manifestações de 2019. Lai também é processado por ter participado na mobilização, num processo diferente do caso reportado esta quinta-feira.

Há alguns meses, vários países ocidentais criticaram a detenção de Lai, proprietário do grupo de comunicação Next Digital, e denunciaram um ataque à liberdade de expressão.

Os meios de comunicação estatais chineses consideram Lai um “traidor” e o apontam-no como instigador dos protestos de 2019.

Lai chegou clandestinamente a Hong Kong com a sua família, aos 12 anos, a bordo de um barco procedente de Cantão. Trabalhou numa fábrica, aprendeu inglês e abriu o próprio negócio têxtil.

Após a repressão aos protestos de Tiananmen (Praça da Paz Celestial), em 1989, que, segundo ele, transformou a sua visão política, Lai fundou a Next Media, em 1990.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.