Escultura em bronze adquirida por Stanley Ho devolvida à China

Cento e sessenta anos depois de ter sido roubada pelos batalhões europeia que destruíram o Antigo Palácio de Verão, em Pequim, uma escultura em bronze que foi adquirida em 2007 pelo magnata do jogo Stanley Ho, falecido em Maio último, foi devolvida às autoridades chinesas.

A estátua – uma cabeça de cavalo que integrava um conjunto escultórico alusivo ao horóscopo chinês – é a primeira a ser devolvida ao Antigo Palácio de Verão, informou esta terça-feira a agência noticiosa Xinhua. A agência governamental denomina a escultura como  “o último tesouro perdido” da residência de Verão dos imperadores chineses.

A escultura foi concebida pelo jesuíta italiano Giuseppe Castiglione (1688-1766), um missionário que viveu durante mais de meio século em Pequim, privando de perto com a corte dos Qing, a derradeira das milenares dinastias imperiais que governaram o país até 1911.

A peça foi usurpada por tropas estrangeiras em 1860, ano em que o Palácio de Verão foi arrasado. A escultura esteve fora da China até 2007, quando Stanley Ho a arrematou num leilão, tendo pago 7,4 milhões de euros pelo bronze. A estátua esteve durante anos em exposição pública no átrio do hotel-casino Grand Lisboa, em Macau, acabando por ser reivindicada pela Administração do Património Cultural Nacional da China (NCHA).

No ano passado, Stanley Ho anunciou a decisão de oferecer a preciosa escultura às autoridades chinesas. O magnata, falecido em Maio último, disse na altura sentir-se “honrado por ter desempenhado um papel importante” no “resgate de relíquias chinesas do exterior”.

Pequim tem vindo, ao longo dos últimos anos, a potenciar os seus esforços para localizar e recuperar relíquias que se transviaram e, a partir de 2019, recuperou cerca de 140.000 peças oriundas do exterior, quer através da cooperação policial, quer através de acções judiciais, de negociações e de doações.

Construído no início do século XVIII, o Antigo Palácio de Verão, denominado de Yuanmingyuan, era um complexo de edifícios e jardins que reuniam exemplares da arquitectura tradicional chinesa com a arquitectura europeia da época. O projecto foi concebido por Castiglione.

O palácio foi saqueado e destruído por soldados franceses e ingleses, em 1860, no contexto da Segunda Guerra do Ópio, por ordem do vice-rei britânico na Índia, Lord Elgin. O governante britânico justificou a decisão com a tortura e execução de alguns membros da uma delegação britânica que se tinham deslocado à República Popular da China meses antes para negociarem com os líderes chineses.

Nas últimas décadas, foram várias as vozes que se ergueram em prol da reconstrução do palácio, num projecto que visava recuperar o património imperial e impulsionar o turismo, mas as autoridades preferem mantê-lo em ruínas para que continue a ser um símbolo do “século de humilhação” de que a China foi alvo nos século XIX e XX.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.