Mau feng shui. Mestre de geomancia chinesa suspeito de burla agravada

Um mestre de feng shui foi detido recentemente por defraudar em mais de 863 mil dólares de Hong Kong um pupilo a quem ensinava os segredos da geomancia chinesa. Na origem da alegada burla está aquisição de um apartamento e a criação de uma parceria para a abertura de um columbário na República Popular da China, anunciou em conferência de imprensa a Polícia Judiciária.

O suspeito, um homem de apelido Cheang que ensinava os princípio do feng shui desde 2016, terá pedido à vítima que lhe emprestasse 330 mil dólares de Hong Kong para financiar a aquisição de um apartamento. O alegado professor de geomancia chinesa prometeu à vitima que, para além do montante que pediu emprestado, também lhe ofereceria metade do dinheiro ganho com a revenda do imóvel.

No mesmo ano, em 2017, Cheang, de 48 anos, convenceu ainda a vítima a investir na abertura de um Columbário na República Popular da China, ao alegar que o retorno do investimento lhe permitiria encaixar um valor dez vezes maior.

O queixoso – que considerou ambos os negócios lucrativos – alegou, na queixa que apresentou junto da Polícia Judiciária, que o suspeito lhe mostrou os planos do projecto e que lhe afiançou que tinha investido meio milhão de dólares de Hong Kong na construção da estrutura.

A parceria começou a dar para o torto em 2018, quando Cheang abordou a vítima para lhe dizer que não tinha dinheiro suficiente para pagar a prestação mensal do apartamento e que a fracção seria apreendida pelo banco se não conseguisse pagar. Com receio de ver gorar-se o que ainda considerava ser um bom investimento, a vítima emprestou mais 30 mil dólares de Hong Kong ao alegado burlão.

Em 2019, quando a vítima se procurou inteirar da evolução do projecto do columbário, Cheang apresentou uma série de desculpas. Em Maio do ano passado, o mestre de feng shui deixou de responder às solicitações do antigo aluno.

Desconfiada, a vítima acabou por tentar indagar por mote próprio sobre o que tinha acontecido com os alegados investimentos aos quais se tinha associado. À Polícia Judiciária, o antigo aluno do alegado burlão disse ter descoberto que o apartamento estava envolvido em vários processos judiciais e que tinha sido apreendido pelo banco. De igual modo, a vítima sustenta que o plano para a construção do columbário na República Popular da China nunca chegou a sair do papel.

Cheang foi detido no terceiro fim-de-semana de Novembro, quando se preparava para entrar no território, através do Posto Fronteiriço das Portas do Cerco. Confrontado pelos investigadores da Polícia Judiciária, Cheng admitiu a prática do crime e vai responder perante a justiça do território pelo crime de fraude agravada. O caso foi entregue ao Ministério Público.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.