Hungria desdenha de Bruxelas e aposta em vacina russa

A Hungria também se diferencia dos demais membros da União Europeia (UE) no que diz respeito às vacinas anticovid-19, ao apostar publicamente na russa Sputnik V, apesar das críticas locais e de Bruxelas. Um voo da companhia aérea russa Aeroflot pousou há alguns dias em Budapeste com milhares de doses da Sputnik V.

“Somos o primeiro país da União Europeia a receber estas doses”, regozijou-se o ministro húngaro dos Negócios Estrangeiros, Peter Szijjarto.

A Hungria juntou-se desse modo à Bielorrússia, à Índia e aos Emirados Árabes Unidos na lista de países que testam a vacina, que de acordo com Moscovo tem uma eficácia de 95 por cento, embora o país da Europa Central também se tenha mostrado aberto às vacinas europeias ou americanas.

Após as primeiras doses, caso as autoridades aprovem, o país receberá maiores quantidades da vacina russa e até mesmo um fabricante húngaro poderá vir a produzi-las no próximo ano.

Com este objectivo, especialistas de Budapeste vão viajar para a Rússia, explicou na sexta-feira Szijjarto, que recebeu o ministro russo da Saúde, Mihai Murasko.

A União Europeia já assinou vários contratos com empresas ocidentais – Moderna, AstraZeneca, Johnson & Johnson, Sanofi-GSK, Pfizer-BioNTech e CureVac -, enquanto a Hungria, que também está a esgrimir um braço-de-ferro com Bruxelas  no que diz respeito à aprovação do orçamento, prossegue no seu caminho solitário.

“Seria irresponsável da parte do povo húngaro renunciar a uma das suas opções”, afirmou o responsável pela pasta dos Negócios Estrangeiros.

Fontes do governo rebatem as críticas, que seriam alimentadas, segundo Budapeste, pelas multinacionais farmacêuticas e “o lobby de Bruxelas”.

O país afirma que também entrou em contacto com fabricantes chineses e israelitas.

Mas a Comissão Europeia já advertiu que “uma vacina só poderá obter uma autorização de comercialização depois de uma análise profunda” da Agência Europeia de Medicamentos (EMA).

Também prometeu adoptar medidas contra membros da União Europeia que utilizem um produto não aprovado. De faccto, em caso de problemas, isto afetaria gravemente a confiança da população nas campanhas de vacinação.

Na Hungria também há críticas ao uso da Sputnik V: “Talvez seja segura e eficaz, mas sobretudo é uma maneira de o governo fazer propaganda”, disse Gabriella Lantos, médica e filiada do partido de oposição New World. “Se tivermos problemas, os russos são nossos amigos e são eles que virão para nos salvar: esta é a mensagem enviada”, afirma.

O primeiro-ministro nacionalista Viktor Orban, de 57 anos, afirma que a sua abordagem é “pragmática” na política externa, mas o pragmatismo chega a tal ponto que ele é acusado de ser o “cavalo de Troia” de Vladimir Putin dentro da União Europeia e da NATO.

De qualquer maneira, ainda será necessário convencer os húngaros, que estão entre os mais relutantes na Europa no que diz respeito à aceitação da vacinação. E oferecer um produto cuja idoneidade não foi certificada pode “alimentar o cepticismo e gerar riscos elevados de saúde pública”, afirma o analista Peter Kreko, director do centro de estudos Political Capital.

No fim, acredita, a Hungria vai optar sem dúvida por milhões de doses de vacinas encomendadas pela UE.

Neste caso, a experiência Sputnik V “ficará como um ‘blefe’ e uma mera retórica de consumo interno”, opina Kreko.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.