Café, arte e solidariedade na Antiga Leprosaria de Ká-Hó

É um novo capítulo, quase nos antípodas da função primordial para as quais foram concebidas. Outrora um dos locais mais isolados e mais estigmatizados do território, as instalações da Antiga Leprosaria de Ká-Hó vão receber, já a partir de Dezembro, um café e uma nova galeria de arte.

As duas valências vão ser operadas pela Associação de Reabilitação de Toxicodependentes de Macau  e têm por principal propósito contribuir para a reinserção social dos pacientes da instituição. Hou Vai Pou, vice-presidente do Instituto de Acção Social (IAS) visita ao final da manhã desta segunda-feira as agora recuperadas instalações  da Vila de Nossa Senhora – a Antiga Leprosaria de Ká-Hó – para se inteirar daquele que é o mais recente projecto da Associação de Reabilitação dos Toxicodependentes de Macau.

Denominada “Hold on to Hope”, a iniciativa consiste na transformação de duas casas da antiga leprosaria num café e numa galeria de arte. As duas novas apostas da ARTM, explica Augusto Nogueira, vão permitir que as pessoas que se encontram em tratamento nas instalações da organização em Ká-Hó possam aprender novas competências: “Gostávamos de inaugurar, no próximo mês, o nosso café e a nossa galeria de arte, que estão englobados no nosso projecto de desenvolvimento de carreira e de práticas de reinserção social, tendo em vista as pessoas que estão em tratamento. Ao abrigo desta iniciativa, que denominamos de “Hold on to Hope” os pacientes aprendem várias competências, como servir à mesa e fazer comida no nosso café”, explica o presidente da ARTM. “O projecto contempla também uma galeria de arte que servirá não só para exibir os trabalhos feitos na ARTM, mas também de outros centros de reabilitação. Estamos  a colaborar com o Ministério dos Negócios Estrangeiros, com centros de reabilitação na China e com outros centros de tratamento à volta do mundo. O espaço também vai estar aberto ao público, para todos quantos queiram expor os seus trabalhos e não têm hipótese de o fazer no chamado circuito normal”, explicou Augusto Nogueira, em declarações ao semanário “O Clarim”.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.