“ A história de Macau é, de facto, ímpar e apaixonante”

Fotografia: Easy Branches

Novembro foi o mês em que o “Macau Antigo” completou doze anos de existência. Desde que foi fundado, no final de 2008, o blogue, da autoria do jornalista da RTP João Botas, foi visitado por quase dois milhões de pessoas e tornou-se um dos mais completos acervos digitais dedicados à história de Macau. Com uma média de meio milhar de visitantes diários, o “Macau Antigo” reúne já mais de cinco mil publicações. O autor não esconde o desejo de fazer com que algumas saltem do ciberespaço para o papel, mas os apoios tardam a chegar. João Botas em entrevista ao Expediente Sínico.

Macau é um território exíguo, mas com uma vasta e rica história e o “Macau Antigo” prova exactamente isso: doze anos e mais de cinco mil posts. É um filão inesgotável, este da história de Macau?

João Botas: Tendo em conta que estabeleci como limite o ano de 1999 estamos a falar de uma história da presença portuguesa em Macau com quase cinco séculos, pelo que de facto o filão é inesgotável.Todos os dias publico um post pelo que até agora já foram muito perto de 5 mil. Enquanto o feedback for tão positivo como até aqui, vou manter esta frequência. Em média, diariamente, mais de 500 pessoas acedem ao blogue que está muito perto de atingir os 2 milhões de visitantes. A maioria dos leitores é originária de Portugal (25 por cento), Macau (16 por cento), EUA (14 por cento) e Brasil (10 por cento), perfazendo mais de 1 milhão de pageviews. Destaque ainda para Rússia (9 por cento), Alemanha (4 por cento), Hong Kong (2 por cento), Itália e França ( menos de 1 por cento). O blogue Macau Antigo está também presente na rede social Facebook.

De que forma é que o “Macau Antigo” se propõe assinalar doze anos de existência?

J.B: À semelhança de aniversários anteriores, foi realizado um passatempo com oferta aos leitores do blogue de livros sobre a história de Macau. Ao longo do mês de Novembro foram ainda publicados posts com temas (incluindo imagens) que julgo serem inéditos. Para além de algumas surpresas, escrevi sobre o hotel Hing Kee, que ao contrário do que tem sido escrito até hoje, não foi o primeiro hotel do tipo ocidental no território. Dei ainda conta das memórias de uma família russa que fugiu à revolução bolchevique de 1917 e que na década de 1930 visitou Macau e das impressões de uma aristocrata/princesa soviética que visitou Macau, juntamente com o marido, no final do século 19. Ao nível das imagens, destaco as fotografias de um conceituado zoólogo britânico que viveu em Hong Kong na década de 1960 e que aceitou o convite para ‘revisitar’ as fotos que tirou em Macau nos anos quentes (1966 e 1967) da revolução cultural chinesa. Dei ainda a conhecer imagens inéditas/raras da primeira versão do Hospital S. Januário inaugurado em 1874, anúncios publicitários raros de hotéis e casinos do território, analisarei ao pormenor um postal ilustrado com mais de 100 anos e que não é bem o que aparenta ser. Sobre a indústria dos panchões – um tema sobre o qual inexplicavelmente o Instituto Cultural recusou a minha proposta de livro com a história que está por fazer – revelei alguns dos produtores e marcas quando esta indústria ainda se concentrava somente na península de Macau, e não na ilha da Taipa,  período sobre o qual há, de facto, abundante produção bibliográfica).

Trata-se de um repositório importante e multi-facetado, com uma grande variedade de temas e de recursos: fotografias, mapas, memorabília. Como autor, quais são os temas que lhe dá mais prazer abordar no âmbito do blog?

J.B: Sou um apaixonado pelos relatos de viajantes, em especial dos séculos 18 e 19. Tenho também uma especial predilecção pela antiga baía da Praia Grande e as múltiplas descrições de que vou encontrando testemunhos escritos, desenhos, pinturas (Chinnery, Lam Qua, Marciano Baptista, etc…) e fotografias. Já no século 20 destaco as memórias dos antigos militares, bem como o período da guerra sino-japonesa, iniciada em 1937, e que alastrou até 1945, incluindo a segunda guerra mundial no período final em que alastrou até à região da Ásia-Pacífico.

 E em sentido contrário, a que temas gostaria de ter dado maior projecção? Há temas mais difíceis de tratar do que outros?

J.B: Não existem temas tabu no blogue. Há temas que pela sua complexidade intrínseca vão ficando para segundo plano por falta de tempo. Outros há que, não podendo publicar na totalidade, vou fazendo de forma parcelar, nomeadamente o que classifico como elementos para a história do turismo em Macau, um projecto em que estou empenhado há já vários anos e que muito me agradaria que fosse concretizado, não só em livro como também noutros formatos. Até agora todos os contactos que fiz junto da Direcção dos Serviços de Turismo têm sido infrutíferos, mas ainda não perdi a esperança de um dia alguém perceber o quão importante é esta história que continua por fazer. O projecto assenta numa base de que não pretendo abdicar e que passa por utilizar uma linguagem simples, objectiva e o mais atractiva possível.

Que planos existem para os próximos doze anos?

O objectivo é fazer tão bem ou melhor do que fiz até agora, em prol da divulgação da história de Macau que é, de facto, ímpar e apaixonante. A ideia de passar para livro alguns dos posts do blogue mantém-se em aberto mas, claro, é preciso que alguma instituição se prontifique a fazê-lo. Até agora, um conjunto de mecenas têm ajudado a suportar parte das despesas inerentes ao projecto. Espero que se mantenham e, se possível, que mais possam apoiar.

Be the first to comment

Leave a Reply

Your email address will not be published.


*


This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.